Religião

Ministério Público quer impedir circulação de automóveis nas ruínas do Convento do Carmo

Ministério Público de Pernambuco (MPPE) recomendou a prefeitura da cidade, a adotar providências cabíveis para impedir a circulação dos automóveis no âmbito do Convento e da Igreja do Carmo

Estacionamento irregular de carro tem prejudicado patrimônio Estacionamento irregular de carro tem prejudicado patrimônio  - Foto: Arthur Mota

Após denúncias de que diversos veículos estariam sendo estacionados sobre as ruínas do Convento do Carmo, no município de Olinda, o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) recomendou a Prefeitura da Cidade, a adotar providências cabíveis para impedir a circulação dos automóveis no âmbito do Convento e da Igreja do Carmo.

De acordo com a promotora de Justiça, Belize Câmara Correia, “A permissividade ou negligência de fiscalização quanto à circulação e permanência de veículos nessa localidade tem potencial de causar danos ao referido sítio arqueológico e, portanto, ao patrimônio histórico, os quais podem ser irreversíveis, impondo-se a adoção de providências preventivas”, afirmou. 

Ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), o MPPE recomendou proceder à realização de vistoria no local, a fim de atestar supostos e eventuais danos, encaminhando parecer técnico a essa Promotoria de Justiça no prazo de 30 dias. Além disso, o Iphan deve exercer a vigilância do conjunto dos bens tombados em questão, adotando as medidas necessárias para impedir quaisquer ameaças à sua conservação.

Os órgãos devem cientificar a 3ª Promotoria de Justiça de Defesa do Meio Ambiente e do Patrimônio Histórico-Cultural de Olinda sobre o acatamento ou não da recomendação, apresentando razões formais em caso de negativa, no prazo de cinco dias.

Leia também:
Convênio com a Prefeitura de Olinda inicia o projeto Escola da Vida
Cães auxiliam o aprendizado de estudantes em Olinda

Sobre as recomendações, frei Luiz Nunes Pereira, prior do Convento do Carmo de Olinda, esclarece que o estacionamento no local citado pelo MPPE é permitido apenas durante a realização da missa aos domingos, por falta de espaço nas redondezas da Igreja. “Apesar de ser uma área tombada pelo patrimônio, ela é privada e pertence aos Frades Carmelitas desde 2012, quando assumimos com muito zelo a gestão. Não temos ajuda nem da prefeitura e nem do governo do estado, a não ser da comunidade cristã local”, declarou. 

“Não autorizamos o estacionamento, apenas aos domingos por uma questão de falta de espaço, mas não há nenhum dano por conta disso. Nós é que temos preservado o local, pintamos toda a igreja e ninguém chega para ajudar. Se não fossem as pessoas para frequentarem a Igreja do Carmo, aquela área continuaria tomada por tráfico de drogas e sem iluminação”, completou o frei. Tanto a Prefeitura de Olinda quanto o Iphan, afirmaram que só vão se posicionar sobre as recomendações do Ministério Público quando receberem a notificação. 

Veja também

Compesa troca fios de cobre por alumínio para combater furtos em unidades de abastecimento
manutenção

Compesa troca fios de cobre por alumínio para combater furtos em unidades de abastecimento

Os ataques históricos à Igreja Católica Romana
ARTIGO

Os ataques históricos à Igreja Católica Romana

Newsletter