A-A+

Nova fase da vacinação contra o sarampo é para pessoas de 5 a 19 anos

Voltada para pessoas com idades entre 5 e 19 anos que nunca foram vacinadas, a ação do Ministério da Saúde vai até o dia 13 de março e é a terceira do tipo a ser realizada desde 2019

Campanha de vacinação contra o sarampoCampanha de vacinação contra o sarampo - Foto: Arthur Mota / Folha de Pernambuco

Começa nesta segunda-feira (10) uma nova etapa da campanha de vacinação contra o sarampo no estado de Pernambuco. Voltada para pessoas com idades entre 5 e 19 anos que nunca foram vacinadas, a ação do Ministério da Saúde vai até o dia 13 de março e é a terceira do tipo a ser realizada desde 2019, quando um surto da doença atingiu o Brasil.

A tríplice viral, vacina que protege contra o sarampo, rubéola e caxumba, deve ser tomada em duas doses - com intervalo de 30 dias - por pacientes na faixa etária contemplada pela campanha. De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (SES), quem está com a caderneta de vacinação em dia não precisa tomar novas doses.

Segundo a superintendente de Imunização do Estado, Ana Catarina Melo, três casos da doença já foram confirmados em Pernambuco no primeiro mês de 2020 - dois em Paulista e um em Olinda, ambas localizadas na Região Metropolitana do Recife. Em 2019, 315 pacientes foram diagnosticados com sarampo em Pernambuco.

"Temos que estar sempre alerta. A vacina é a única medida segura e eficaz de combate ao sarampo e temos casos da doença por todo Brasil. Com a circulação de pessoas aumentando na época do carnaval, é importante reforçar as vacinações", afirmou a superintendente.

Leia também:
Pernambuco começa, nesta segunda-feira, nova fase de vacinação contra o sarampo
Primeiro caso de sarampo do ano em Pernambuco é registrado em criança de um ano
Vacina contra gripe evita casos suspeitos de coronavírus, diz ministro da Saúde


Além da campanha, a tríplice viral também é disponibilizada rotineiramente nos postos de saúde para crianças de 6 a 11 meses, que tomam a "dose zero"; para esse público, a primeira dose é aos 15 meses. Pessoas com idades entre 2 e 29 anos que ainda não foram vacinadas devem tomar duas doses, com um intervalo de 30 dias entre elas. Adultos com idades entre 30 e 49 anos devem tomar apenas uma dose.

"Vacina é uma atividade do dia a dia. As campanhas nos ajudam a fortalecer a comunicação com as pessoas, que são convidadas a comparecer naquele período. A vacina deve estar sempre disponível e, enquanto houver pessoas sem tomar vacinas, há risco de o vírus continuar circulando entre nós", disse o secretário.

Segundo a SES-PE, mais de 800 mil doses da tríplice viral foram aplicadas em Pernambuco em 2019. Uma nova campanha de prevenção ao sarampo deve ser realizada em agosto e será focada no público de 30 a 59 anos. As campanhas anteriores beneficiaram crianças de 6 meses a 4 anos e pessoas com idades entre 20 e 29 anos.

Camaragibe
“É muito importante que a população se conscientize e compareça nos postos para se vacinar. É a nossa forma de prevenir que o vírus do sarampo fique em circulação contínua em nosso município”, disse Maria José, coordenadora do Programa Nacional de Imunização (PNI) de Camaragibe, no Grande Recife. As Unidades Básicas de Saúde funcionam de segunda a sexta, das 8h às 16h. No sábado, dia 15 de fevereiro, “Dia D” da campanha, os postos estarão funcionando no mesmo horário.

A doença
O sarampo é uma doença infectocontagiosa transmitida através de secreções emitidas pelas vias respiratórias, como gotículas eliminadas pelo espirro ou pela tosse. Segundo o Ministério da Saúde, as crianças são as mais suscetíveis às complicações e óbitos por sarampo.

Os sintomas da doença começam a aparecer entre dez e 12 dias depois do contágio e duram entre sete a dez dias. A doença pode levar à morte e a única forma de combatê-la é através da vacinação.

Veja também

Pernambuco recebe maior remessa de vacinas da Pfizer/BioNTech
Vacinação

Pernambuco recebe maior remessa de vacinas da Pfizer/BioNTech

Adaptação: já sabemos lidar com o retorno completo das atividades sociais?
Pandemia

Adaptação: já sabemos lidar com o retorno completo das atividades sociais?