Pessoas com deficiência ganham direito de viajar gratuitamente sem restrições, decide TJPE

Julgamento aprovou o pedido liminar concedido em 1º Grau, que decidiu que a empresa demandada disponibilize dois assentos para o menor e seu acompanhante

Sede do TJPESede do TJPE - Foto: Reprodução / Internet

Em decisão unânime, a 5ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) confirmou o direito de duas crianças com deficiência viajarem de forma gratuita, em ônibus de transporte interestadual, sem restrição de dias da semana ou tipo de veículo. O julgamento aprovou o pedido liminar concedido em 1º Grau, que decidiu que a empresa demandada disponibilize dois assentos para cada menor e o acompanhante, mediante o "Passe Livre", em ônibus da categoria "não convencional" caso esta não esteja disponível no dia de necessidade da viagem. O relator do acórdão foi o desembargador José Fernandes de Lemos.

Em março de 2018, os autores ingressaram na Justiça e declararam que a empresa de ônibus se negou a oferecer passagens gratuitas para a cidade de São Luiz, no Maranhão, onde as crianças fazem tratamento de saúde, com consulta marcada em rede hospitalar.

De acordo com o processo, a empresa, única com desembarque para a capital maranhense a partir do Recife, disse que os ônibus do tipo “convencional” circulavam apenas aos sábados e que, somente nessa categoria, eram disponibilizados os assentos para pessoas com deficiência.

Leia também:
TJPE inscreve para Semana de Conciliação até dia 9
TJPE oferece ação cidadania no Shopping Guararapes nesta segunda-feira
Projeto beneficiará pessoas com deficiência auditiva e visual


Ainda segundo os autos, foi informado aos responsáveis legais dos menores que a gratuidade das passagens era apenas para as crianças e não os acompanhantes, que teriam de pagar o bilhete em seu valor integral, totalizando R$ 1,2 mil para ida e volta. Na ocasião, também foi exigida a presença da criança com deficiência no ato da solicitação da passagem, para a comprovação da condição estabelecida pela Lei 8.899/1994, conhecida como Lei do Passe Livre.

O juiz Marcus Vinicius Barbosa, da 15ª Vara Cível da Capital, alegou que a disponibilização de viagens em ônibus convencional, apenas uma vez na semana, implica em ofensa à Lei 8.899/1994 e destaca que, “apesar da Portaria GM 261/2012, que regulamenta a Lei do Passe Livre, tenha disposto em seu artigo 16 que a reserva dos lugares ocorreria em veículo do tipo convencional, a redação do artigo 41 dessa mesma Norma regulamentar estabelece que fica a transportadora obrigada a atender o Passe Livre quando operar com veículo de categoria diferenciada, em linha e em horário autorizados pelo poder concedente para o serviço convencional”.

Sobre a passagem gratuita para os acompanhantes, o magistrado citou o artigo 1º da Portaria GM 410/2014, que garante a extensão do benefício verificadas as condições estabelecidas no regulamento.

No recurso, a 5ª Câmara Cível do TJPE aprovou a decisão liminar, considerando a negativa da empresa de transporte como dano irreparável ou de difícil reparação, pois, “ao impedir os menores portadores de deficiência de utilizar o ‘passe livre’ nas datas em que necessitem se locomover até a cidade de São Luís, a fim de realizar tratamento em hospital ali localizado, submetendo-os a viajar em outras empresas de transporte interestadual sem terminal rodoviário naquela cidade, de forma desconfortável e desgastante, causará grande sofrimento a eles, sobretudo por se tratarem de crianças com graves deficiências de ordens física e mental”.

O voto do desembargador José Fernandes de Lemos considerou que “a empresa agravante restringiu a emissão de passagens gratuitas aos portadores com deficiência, sem respeitar a legislação vigente, tendo em vista que a restrição do ‘passe livre’ para apenas os ônibus da modalidade ‘convencional’ acaba por obstar a fruição do direito garantido pela lei”. Os desembargadores Agenor Ferreira de Lima Filho e Jovaldo Nunes Gomes votaram com o relator do processo, negando provimento ao Agravo de Instrumento interposto pela empresa de transportes. Caso haja descumprimento, a empresa terá de pagar multa diária no valor de R$ 2 mil, sem prejuízo das demais cominações legais aplicáveis à hipótese.

Veja também

Secretário Lucas Ramos anuncia compra de software para monitoramento da vacinação
PERNAMBUCO

Secretário Lucas Ramos anuncia compra de software para monitoramento da vacinação

Paulo Câmara sanciona lei que institui auxílio financeiro para artistas e grupos carnavalescos
Auxílio Emergencial

Paulo Câmara sanciona lei que institui auxílio financeiro para artistas e grupos carnavalescos