Mundo

Peru inclui transexualidade em lista de transtornos mentais, e ativistas protestam

Governo alega que decreto amplia cobertura do atendimento à saúde mental; publicação foi feita dias antes do marco da retirada da homossexualidade da lista da Classificação Internacional de Doenças (CID)

Bandeira transBandeira trans - Foto: Freepik

A próxima sexta-feira, dia 17 de maio, marcará 34 anos desde que a Assembleia Geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) retirou a homossexualidade da lista da Classificação Internacional de Doenças (CID). Um marco que inspirou a criação do Dia Internacional contra a Homofobia, Transfobia e Bifobia em 2005. Atualmente, a comemoração é reconhecida por mais de 130 países. Uma semana antes da data, na última sexta-feira, o Ministério da Saúde do Peru (Minsa) publicou um decreto que faz o país retroceder na luta contra a discriminação e no reconhecimento dos direitos das pessoas LGBTIQ+ ao considerar que elas sofrem problemas de saúde mental por causa de suas identidades.

O Decreto Supremo N° 009-2024-SA, que leva a assinatura da presidente Dina Boluarte, consiste em uma atualização do Plano de Seguro de Saúde Essencial (PEAS), um documento que contém uma lista detalhada de condições, intervenções e cuidados que são financiados para todos os segurados e que está em vigor nos centros de saúde públicos e privados do Peru. No entanto, o Ministério da Saúde incorporou novos diagnósticos na categoria de transtornos mentais e comportamentais, com base na décima versão da Classificação Estatística Internacional de Doenças (CID-10), que expirou em 2022 quando uma versão atualizada, a CID-11, entrou em vigor.
 

Assim, “transexualismo, travestismo de duplo papel, transtorno de identidade de gênero na infância, outros transtornos de identidade de gênero, travestismo fetichista e orientação sexual egodistônica” foram agora incluídos no capítulo sobre problemas de saúde mental na cobertura de seguro do país andino, apesar de a OMS ter excluído a transexualidade de seu manual de doenças há dois anos. Poderíamos dizer que se trata de mais tempo, já que a CID-11 foi submetida à adoção pelos estados membros em 2019. O termo transexual foi substituído por incongruência de gênero, que se limita a uma condição relacionada à saúde sexual.

“Foram necessários 28 anos para remover as identidades trans da mesma categoria. Não vamos retroceder nem mais um dia", disse o coletivo More Equality Peru, que coletou assinaturas para enviar uma carta ao ministro da Saúde, César Vásquez. O cientista Percy Mayta Tristán, diretor de pesquisa da Universidade Científica do Sul, também expressou sua preocupação com o decreto:

— A população trans não tem acesso aos serviços de saúde porque tem problemas com o Documento Nacional de Identidade (DNI). Em teoria, é uma forma de ‘em boas intenções’ fornecer acesso. O problema é que eles usam o CIE-10, que está dizendo que eles estão doentes. Então, a comunidade LGTBI, a população trans, se opõe e diz: 'Como você quer que eu me aproxime do serviço de saúde se eles já estão me dizendo que estou doente por ser trans' — disse ao Perú 21.

'Porta aberta para tortura'

Questionamentos similares foram feitos por Jorge Apolaya, porta-voz do Coletivo Marcha do Orgulho de Lima, que exigiu que o Ministério da Saúde alterasse a lei porque ela se baseia em um conjunto de regras que já estão desatualizadas.

— A lei em si está desatualizada e deixa a porta aberta para terapias de conversão, bem como para o uso de hormônios para corrigir a homossexualidade, terapias que são consideradas tortura de acordo com o direito internacional —disse ao jornal El Comercio.

Diante da onda de críticas, o Ministério da Saúde emitiu um comunicado contraditório: eles afirmaram que gênero e diversidade sexual não são doenças nem transtornos, mas não se retrataram nem fizeram autocrítica. Justificaram o decreto, argumentando que é para “garantir que a cobertura do atendimento de saúde mental seja completa” e que “a CID-10 ainda está em vigor no país, enquanto se inicia a implementação progressiva da CID-11, como é o caso em outros países da região”.

“O Minsa reafirma categoricamente seu respeito pela dignidade do indivíduo e sua liberdade de ação no âmbito dos direitos humanos, prestando serviços de saúde em seu benefício”, concluiu a declaração oficial.

O ministro da Saúde, César Vásquez, não comentou o assunto. Em vez disso, ele usou os microfones para rejeitar a prisão de Nicanor Boluarte, irmão do presidente, preso por suposto tráfico de influência, bem como para justificar o aumento da pobreza monetária de 27,5% para 29%.

Veja também

Higiene do sono: conheça 10 hábitos para dormir bem e não ficar acordado até tarde
SAÚDE

Higiene do sono: conheça 10 hábitos para dormir bem e não ficar acordado até tarde

Adolescentes alertam sobre mudança climática em sessão da Corte IDH em Brasília
FUTURO

Adolescentes alertam sobre mudança climática em sessão da Corte IDH em Brasília

Newsletter