Pandemia

Pesquisa mostra que a pandemia fez pacientes abandonarem ou postergarem tratamentos

Os médicos também indicaram mudanças no relacionamento com pacientes durante o último ano

Pacientes internados no Hospital Gilberto Novaes, em ManausPacientes internados no Hospital Gilberto Novaes, em Manaus - Foto: Michael Dantas/AFP

Pesquisa realizada pelo CFM (Conselho Federal de Medicina) mostra que 27,5% dos médicos relataram que os pacientes abandonaram ou postergaram tratamento médico ao longo da pandemia de Covid-19.

Para 42% dos profissionais houve uma redução significativa no número de atendimentos diários por doenças que não estavam relacionadas à enfermidade causada pelo coronavírus.

A pesquisa foi realizada com 1.549 médicos cadastrados nos CRMs (Conselhos Regionais de Medicina) e que atuam nos setores público e privado.


Os dados foram coletados entre setembro e dezembro do ano passado. Dos entrevistados, 53% atuam na região Sudeste e fazem atendimento em consultórios.

Os médicos também indicaram mudanças no relacionamento com pacientes durante o último ano. Um comportamento comum é a exigência de mais tempo e atenção pelas pessoas que estão sendo atendidas, em especial para tirar dúvidas relacionadas a como prevenir e tratar a Covid-19.

O vice-presidente do CFM, Donizetti Dimer Giamberardino Filho, disse que pacientes com doenças crônicas estão deixando de procurar atendimento médico por medo de contágio e até por falta de vagas. Ele alerta para consequências futuras.

"Isso vai ter um efeito mais para frente, a pandemia tem interferido no acesso da população a outros tratamentos de saúde. Uma pessoa que retardar o diagnóstico de câncer pode ter um resultado pior no tratamento."

 



A pandemia também alcançou os lares e a saúde mental dos profissionais de saúde com a ampliação da atuação. Para 96%, houve impacto na vida pessoal e profissional.

Dos entrevistados, 22,9% disseram acreditar que a principal causa foi a elevação do nível de estresse. Para 14,6%, o motivo foi a sensação de medo ao lidar com uma doença até então desconhecida.


O vice-presidente do CFM afirmou que esse impacto negativo pode ter consequências no bem-estar, podendo ainda agravar a depressão e levar ao aparecimento da síndrome de Burnout.


A sobrecarga de trabalho e a falta de condições para atuar também explicam esse impacto, segundo Giamberardino Filho. "Todo esse cenário afeta os profissionais de saúde, como a falta de leitos. No entanto, esse esgotamento do sistema de saúde não pode ser jogado nas costas desses profissionais."

O médico intensivista e clínico geral da Santa Casa de Belo Horizonte Hermann Alexandre Vivacqua von Tiesenhausen disse que a sobrecarga de trabalho diante de uma doença desconhecida acarreta exaustão para os profissionais de saúde. Esse sintoma é agravado pela sensação de que o profissinal não está conseguindo realizar todo o trabalho.

"A maior angústia é quando você não consegue uma vaga, isso tem nos deixado à beira da exaustão, estamos enfrentando um inimigo difícil de lidar e ainda não sabemos quando tudo isso acaba."

Em apoio aos médicos e às ações de fiscalização, Giamberardino Filho ressaltou que o CFM, em parceria com o CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público) e o MPF (Ministério Público Federal), vai lançar o projeto Luna, um canal para que os profissionais possam relatar a falta de condições e de infraestrutura de trabalho.


Por meio da plataforma, também será possível informar situações que têm contribuído para o aumento do estresse e da tensão nos ambientes de atendimento, em especial nos locais que acolhem casos suspeitos ou confirmados de Covid-19.

Ao receber os dados, os órgãos procederão à análise do conteúdo em busca de indícios de potenciais impactos sistêmicos. Desse modo, será possível não só identificar cenários de crises pontuais como antecipar o aparecimento de problemas que podem influenciar negativamente o atendimento.


Giamberardino Filho disse acreditar que todo o foco no momento deve ser concentrado nas vacinas. Mas enquanto boa parte da população não é vacinada é importante manter as medidas de higiene sanitária para reduzir a capacidade de transmissão do vírus.

O vice-presidente do CFM disse ainda que é a favor de medidas mais severas para evitar a disseminação do vírus, como o lockdown. No entanto, ele disse acreditar que deva ser aplicado de acordo com a situação de cada macrorregião do país.


"Quando houver o esgotamento da capacidade de atendimento e a transmissibilidade alta não tem outro caminho que não seja esse [lockdown]."

 

Veja também

Olimpíada de Língua Portuguesa recebe inscrições de estudantes da rede pública de ensino
Educa Mais

Olimpíada de Língua Portuguesa recebe inscrições de estudantes da rede pública de ensino

Procon interdita bar e loja de conveniência abertos após horário permitido no Recife
Desrespeito ao protocolo

Procon interdita bar e loja de conveniência abertos após horário permitido no Recife