Clima

Petrópolis: entenda por que a cidade teve chuvas históricas e devastadoras neste domingo (20)

Estação do Cemaden no bairro de São Sebastião registrou 548mm de chuvas. Em 15 de fevereiro, o maior nível no município foi de 260mm

Petrópolis depois das chuvas desde domingo (20)Petrópolis depois das chuvas desde domingo (20) - Foto: Reprodução / Twitter

Toda a Região Serrana foi atingida pelas chuvas trazidas pela frente fria no domingo, mas Petrópolis, pela segunda vez em pouco mais de um mês, foi a mais castigada. O meteorologista Marcelo Seluchi, coordenador-geral de Operações e Modelagem Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), explica que uma combinação de fatores geográficos e climáticos pode explicar a ocorrência de índices pluviométricos históricos e devastadores.

O Cemaden alertou para a chuva forte desde a semana passada para as regiões Serrana e Metropolitana. No entanto, em Petrópolis não apenas começou a chover primeiro quanto os volumes foram muito maiores do que nas demais localidades.

Desde as 14h de domingo, a estação meteorológica do Cemaden no bairro petropolitano de São Sebastião marcou 548mm. Só não se pode dizer que é o recorde absoluto porque a estação é nova, tem um ano e seus dados não são comparáveis. Em 15 de fevereiro, o maior nível na cidade foi de 260mm.

O Cemaden alertou para a chuva forte desde a semana passada para as regiões Serrana e Metropolitana. No entanto, em Petrópolis não apenas começou a chover primeiro quanto os volumes foram muito maiores do que nas demais localidades.

Desde as 14h de domingo, a estação meteorológica do Cemaden no bairro petropolitano de São Sebastião marcou 548mm. Só não se pode dizer que é o recorde absoluto porque a estação é nova, tem um ano e seus dados não são comparáveis. Em 15 de fevereiro, o maior nível na cidade foi de 260mm.

Seluchi destaca que a diferença na distribuição da chuva ao longo do domingo fez com15 de fevereiro registrasse mais deslizamentos e muito mais mortos. O volume de chuva diluviano de domingo e segunda-feira se distribuiu ao longo de muitas horas. Já em 15 de fevereiro 230mm dos 260mm foram despejados em apenas três horas, literalmente dissolvendo as encostas e fazendo os rios transbordarem em 15 minutos.

"Isso aumenta e muito a ocorrência de deslizamentos, que são ainda mais letais do que a inundação e a enxurrada. Neste domingo tivemos eventos hidrológicos, mas bem menos deslizamentos", salienta Seluchi.

As chuvas de 15 de fevereiro mataram 233 pessoas e ainda há quatro desaparecidas. Já as deste domingo deixaram pelo menos cinco mortos e quatro desaparecidos.

Choveu intensamente em toda a Região Serrana, mas Teresópolis, colada a Petrópolis, não registrou nem a metade das chuvas da Cidade Imperial. A estação do Cemaden com o maior índice de Teresópolis foi a do Parnaso, com 209mm.

Segundo Seluchi, a chuva violenta foi causada pela combinação de frente fria, época do ano (o outono é mais instável do que o verão), topografia (montanhas) e a água do mar excepcionalmente quente. Por trágica coincidência, todos esses fatores se reuniram sobre Petrópolis.

Essa frente fria veio do mar, pelo Sul/Sudeste, e suas nuvens carregadas se chocaram com as montanhas da Serra do Mar. Deram de cara com Petrópolis. A Cidade Imperial está situada exatamente em frente à Baía de Guanabara, cujas águas chegaram a registrar a temperatura de 30 graus na semana passada.

A frente fria tomou uma área muito maior do que a da Baía de Guanabara, mas localmente a água do mar muito quente nela pode ter feito a diferença para Petrópolis. A água quente evapora e dá mais combustível às tempestades.

Se não bastasse estar no alto da Serra do Mar (montanhas concentram precipitação) e construída entre encostas e vales estreitos, a cidade recebeu diretamente a chuva, trazida por nuvens que ganharam força no mar.

"A montanha faz toda a diferença. Em Petrópolis, há uma combinação muito perigosa de montanhas e proximidade com o mar. Isso pode ser uma explicação para a mesma cidade e apenas uma parte dela, o Centro, ter sido tão duramente afetada duas vezes em pouco mais de um mês", diz Seluchi.

Mais uma vez, como em fevereiro, apenas a parte Sul da cidade foi devastada. A parte Norte, que não é voltada para o mar, recebeu bem menos chuva tanto ontem quanto em 15 de fevereiro. Ontem, as estações do Cemaden dos distritos no Norte de Petrópolis registraram chuva fraca, de 2mm a 5mm.

"A direção do vento, a temperatura altíssima do oceano, tudo isso tem impacto. Ainda não sabemos a causa precisa desse evento, mas a posição de Petrópolis a deixa muito vulnerável a extremos", diz o meteorologista.

O geógrafo Manoel do Couto Fernandes, coordenador de projetos do Laboratório de Cartografia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (GeoCart/UFRJ), frisa que a cidade já estava frágil demais pelo ocorrido em 15 de fevereiro. E a isso se somou o fato de os bueiros estarem entupidos e os rios já estarem muito assoreados.

"É uma mistura explosiva. No Centro da cidade, vimos que as ruas ficaram inundadas antes de os rios transbordarem. As ruas viraram rios. E não é só limpar bueiro. Precisa desobstruir a rede de drenagem", enfatiza Fernandes.

Ele acrescenta que Petrópolis está cheia de cicatrizes abertas pelos deslizamentos de fevereiro. O solo exposto desceu com a chuva e assoreou ainda mais os rios.

"Está tudo muito vulnerável, só não foi pior porque, embora tenha chovido muito, não foi tudo concentrado em poucas horas", observa Fernandes.

Veja também

Dia Nacional do Diabetes: pacientes buscam qualidade de vida
saúde

Dia Nacional do Diabetes: pacientes buscam qualidade de vida

Ministro da Justiça diz que não conversou com Bolsonaro sobre investigação da PF em viagem aos EUA
Política

Ministro da Justiça diz que não conversou com Bolsonaro sobre investigação da PF em viagem aos EUA