Rio de Janeiro

Petrópolis vai arcar com os sepultamentos; parentes reclamam de demora na liberação dos corpos

Justiça afirma que todos os corpos que estão no IML serão liberados ainda hoje. Cartório e funerária estão na porta do IML para acelerar os trâmites

Morto em Petrópolis após temporalMorto em Petrópolis após temporal - Foto: Carl Souza/AFP

O empresário João Carlos Castro de Oliveira, 55, morava no bairro Washington Luís, no Centro de Petrópolis, e era pai de dois filhos. Ele é uma das dezenas de vítimas da tragédia. Seus parentes relatam a angústia pela demora na para a liberação do corpo para o sepultamento desde quarta-feira. Eles dizem que já fizeram o reconhecimento e criticam “a burocracia” para a remoção. A prefeitura da cidade afirma que “reforçou o número de profissionais para a exumação” dos mortos.

— Essa demora é uma angústia, dor. Queremos nos despedir e não conseguimos. Não sabemos quanto tempo teremos para fazer o enterro. São várias perguntas. O corpo foi identificado ontem. Ele foi morto em casa, acharam cedo. Estamos sofrendo. Só queremos um respeito com a gente. Tem que ter um preparo maior para essa tragédia — desabafa a química Josiane Castro de Oliveira, 41.
 

Ela disse que faltam agilidade, profissionais e equipamentos.

— Se aqui não tem suficiente, computador suficiente, tem que ter mais gente para trabalhar. Já é uma despedida tão dolorosa e a gente tem que passa por essa demora. Foi uma tragédia de uma hora para outra. Está tendo uma falha na liberação — desabafa Josiane.

De acordo com a família, João Carlos era o mais velho e estava em casa quando a residência desabou.

— Temos um grupo de irmãos no WhatsApp, porque a gente se uniu muito após o meu pai falecer há menos de um ano. No horário da chuva, eu pegava meu filho de 8 anos na escola, no Centro. Ele pediu pra gente não sair de casa por conta do temporal. Eu consegui voltar e a última mensagem dele foi às 6h08. Depois ele não se comunicou mais. A gente achava que ele estava bem. No entanto, a noite soubemos que a casa dele tinha desabado. Ele morreu acolhendo funcionários de uma obra da casa ao lado do meu tio — diz Josiane.

Caso similiar ocorre com a família de Rafael Xavier de Castro, de 42. Ele voltava para casa e, quando passava pela Coronel Veiga, o ônibus em que estava foi arrastado pela correnteza. Desde ontem, o vendedor Filipe Xavier peregrina por hospitais em busca do irmão. Ele foi informado de que o corpo do irmão está no caminhão frigorífico.

— Meu irmão ficou preso no ônibus que a correnteza levou. Fizemos um pré-cadastro, e temos que mandar uma foto para eles fazerem o reconhecimento dos corpos com as fotos. Meu irmão não merecia isso.

O juiz auxiliar da Presidência do Tribunal de Justiça do Rio Alexandre Teixeira de Souza afirmou, em Petrópolis, que a prefeitura vai arcar com os sepultamentos. Mais um caminhão frigorífico chegou ao muniicípio. A Mitra ofereceu o cemitério para os enterros.

— O nosso compromisso é de que todos os corpos que estão no IML serão identificados e liberados hoje. O ente querido que for identificado e estiver sem identificação civil será liberado automaticamente, com o que vocês (família) disserem. Para facilitar, trouxemos o cartório e a funerária para cá (ao IML): ninguém precisa se deslocar para mais nenhum lugar. Os cartórios funcionarão em prazo suficiente e necessário para que possamos liberar os corpos — afirmou o juiz.

Por falta de espaços nas câmaras frigoríficas do IML de Petrópolis e no caminhão frigorífico que a Polícia Civil havia colocado no local, o TJRJ enviou mais um caminhão frigorífico para armazenar os corpos que estão chegando no local e posteriormente sendo reconhecidos. O automóvel chegou no bairro Corrêas as 13h e já começara a ser usado em instantes.

Luciana de Almeida Lemos, defensora pública e coordenadora regional do órgão em Petrópolis, afirmou que a instituição ficará no IML durante uma semana para ajudarem nos trâmites para a liberação de corpos e futuramente, caso precisem, judicializem para que corpos sejam identificados através de DNA.

— Nós orientamos as famílias a comparecerem aqui no IML. Essas pessoas tem que preencher uma ficha para o reconhecimento dos corpos. Tem um sofrimento, sabemos disso, mas temos que nos atentar às questões técnicas para evitar erros. Para agilizar o processo, o IML está separando os mortos por localidades encontradas. Mas, pedimos que os familiares tragam tudo que possam ajudar na identificação dos parentes para que não haja erro na liberação — destaca Luciana, que completa:

— Chegamos hoje e estamos tentando agilizar esse trâmite: reconhecimento , registro do óbito e sepultamento. Queremos orientar as famílias nesse processo. Por enquanto os corpos estão sendo encontrados e são identificados. Mas, posteriormente, poderemos judicializar porque alguns corpos poderão ter que passar por processo de DNA.

A Defensoria está com cinco pontos de atendimento espalhados pela cidade para prestar atendimento a famílias que estão sem energia elétrica e que perderam seus pertences. Um deles fica em frente ao IML, prioritário para parentes de vítimas desaparecidas ou já reconhecidas.

O gerente de uma funerária de Petrópolis, Moisés Alves da Penha, 49, está ha 30 anos nessa área. Ele reconhece que “essa é uma situação atípica” e que terá que sepultar ao menos 12 corpos.

— Já lidei com situações (de outros temporais) assim em outras ocasiões. Mas essa foi pior que as outras. O diferencial foi a brutalidade. Desta vez, foi bem pior. Tenho muitos corpos, e as pessoas as vezes ficam nervosas pela demora. Mas a gente entende que não pode liberar um corpo de qualquer maneira. Depende de papiloscopistas, de papéis e isso demora um pouco. Mas as pessoas que perdem seus entes querem resolver logo isso.

A Polícia Civil afirmou que toda a sua estrutura "está mobilizada para prever e atender às demandas da perícia em Petrópolis". A pasta disse ainda que "não existe nem falta de material nem de pessoal". Ainda de acordo com a instituição, "os familiares estão sendo acolhidos e atendidos na Sala Lilás com atendimento especializado".

A secretaria disse ainda que os dados estão sendo processados no Instituto de Identificação Félix Pacheco (IIFP) no Centro do Rio e os resultados encaminhados para o IML de Petrópolis.

Veja também

Petroleiros venezuelanos exigem inclusão em leilão de subsidiária da PDVSA nos EUA
Mundo

Petroleiros venezuelanos exigem inclusão em leilão de subsidiária da PDVSA nos EUA

China anuncia meta de crescimento econômico de 5% para 2024, segundo informe de trabalho
Economia

China anuncia meta de crescimento econômico de 5% para 2024, segundo informe de trabalho