Operação Dissímulo

PF mira organização criminosa suspeita de crimes contra bancos no Agreste

De acordo com a polícia, o líder da organização criminosa seria um vigilante de 32 anos, funcionário de uma empresa de segurança de valores

Quadrilha era especializada em crimes contra agências bancárias, segundo a PFQuadrilha era especializada em crimes contra agências bancárias, segundo a PF - Foto: Divulgação/PF

A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta terça-feira (30), a Operação Dissímulo para desarticular uma associação criminosa apontada como especializada em crimes patrimonias contra agências bancárias nas cidades de Caruaru e Santa Cruz do Capibaribe, no Agreste de Pernambuco. Segundo a polícia, a organização executava crimes como roubo mediante sequestro e extorsão dos funcionários das agências.

De acordo com a polícia, o líder da organização criminosa seria um vigilante de 32 anos, funcionário de uma empresa de segurança de valores. Ele já havia sido preso em fevereiro deste ano em uma investigação que apurou suas relações com integrantes de uma facção criminosa do estado de São Paulo. Ainda segundo a polícia, esse grupo atuava em diversos outros estados do país.
 

Na Operação Dissímulo, a Polícia Federal cumpriu quatro mandados de busca e apreensão, nos bairro de Agamenon Magalhães, Cidade Jardim, Renderias e Vassoural, em Caruaru. As ordens judiciais foram expedidas pelo Juízo da 3ª Vara Criminal da Comarca de Caruaru, em endereços de suspeitos de integrarem o grupo criminoso.

Os crimes atribuídos aos investigados são de associação criminosa e roubo qualificado, com penas que somadas podem chegar a 18 anos de reclusão.  

Veja também

Relatório do Congresso dos EUA vê risco à democracia e ao ambiente sob Bolsonaro
EUA

Relatório do Congresso dos EUA vê risco à democracia e ao ambiente sob Bolsonaro

Mundo supera 12 milhões de casos coronavírus
Coronavírus

Mundo supera 12 milhões de casos coronavírus