PGR pede que STF abra inquérito para apurar racismo de Weintraub em mensagem sobre China

O ministro Celso de Mello é o relator do caso no supremo

Abraham Weintraub, ministro da Educação Abraham Weintraub, ministro da Educação  - Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

A PGR (Procuradoria-Geral da República) solicitou ao STF (Supremo Tribunal Federal) a abertura de inquérito contra o ministro da Educação, Abraham Weintraub, por suspeita de crime de racismo por uma publicação dele nas redes sociais sobre a China e o coronavírus.

A manifestação pela abertura de inquérito é do vice-procurador-geral da República, Humberto Jacques de Medeiros, a partir de representações protocoladas contra Weintraub pelo PSOL e por um cidadão comum. O ministro Celso de Mello é o relator do caso no supremo.

O vice-procurador-geral viu indícios de racismo na mensagem e solicita abertura de inquérito para que haja diligências e explicações por parte do ministro.

Leia também:
Weintraub diz que pode pedir perdão por 'imbecilidade' se a China fornecer respiradores
Governo manda primeiros aviões à China para buscar máscaras e irá desviar de EUA e Europa


Essa é primeira investigação da gestão do procurador-geral da República, Augusto Aras, contra algum membro do governo Jair Bolsonaro.

Em postagem numa rede social no dia 4, o ministro usou o personagem Cebolinha, da Turma da Mônica, para fazer chacota da China e associar a pandemia de coronavírus a interesses do país asiático.

Na mensagem, ele trocou a letra "r" por "l", assim como na criação de Mauricio de Sousa, ridicularizando o sotaque de muitos chineses ao falar português.
Weintraub apagou a mensagem publicada no Twitter, no sábado, que tinha o seguinte conteúdo:

"Geopolíticamente, quem podeLá saiL foLtalecido, em teLmos Lelativos, dessa cLise mundial? PodeLia seL o Cebolinha? Quem são os aliados no BLasil do plano infalível do Cebolinha paLa dominaL o mundo? SeLia o Cascão ou há mais amiguinhos?", escreveu o membro do gabinete do presidente Jair Bolsonaro.

A embaixada da China reagiu à manifestação do ministro no início da madrugada desta segunda-feira (6), por meio de uma nota publicada no Twitter, na qual classifica as declarações do ministro de "absurdas e desprezíveis", com "cunho fortemente racista e objetivos indizíveis, tendo causado influências negativas no desenvolvimento saudável das relações bilaterais China-Brasil".

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Pandemia de Covid causou aumento de mortes por malária em 2020, diz OMSMalária

Pandemia de Covid causou aumento de mortes por malária em 2020, diz OMS

Projeto cria cadastro nacional de pedófilosJustiça

Projeto cria cadastro nacional de pedófilos