Piche despejado no mar atinge praias do litoral pernambucano

A substância foi encontrada em praias de Olinda, Recife e Ipojuca na manhã desta terça-feira (03)

Piche na areia da praiaPiche na areia da praia - Foto: Reprodução/Whatsapp

Uma substância escura e pegajosa chamou a atenção de quem caminhava nas areias das praias do litoral pernambucano nesta terça-feira (3). Manchas pretas estavam espalhadas em vários trechos das praias de Boa Viagem, na Zona Sul do Recife, e na praia Del Chifre, em Olinda.

Segundo a Agência Pernambucana do Meio Ambiente (CPRH), o material foi identificado como piche, um subproduto dos combustíveis utilizados em embarcações de grandes travessias, como navios de carga. Suspeita-se que a substância teria sido jogada em alto mar durante uma operação de limpeza dos tanques, o que é proibido por lei.

“Além das praias de Boa Viagem, Del Chifre e Pina, o piche chegou até o município de Tamandaré, e atingiu Cupe e Gamboa, em Ipojuca e na Paraíba. Devido à quantidade, é possível que também chegue em Alagoas”, afirmou o diretor de Controle de Fontes Poluidoras do CPRH, Eduardo Elvino.

Leia também: 
Material está confinado, diz CPRH sobre vazamento de óleo da Refinaria Abreu e Lima
Poluição da água pode reduzir crescimento econômico em um terço, diz Banco Mundial

Por causa do seu grande poder calorífico, o piche deve ser descartado em portos, onde empresas especializadas recolhem o material e o comercializam para indústrias ou levam para estações de tratamento.

A punição por despejar o material no mar pode variar de R$ 50 a R$ 50 milhões. O valor é estipulado de acordo com o potencial poluidor da substância. De acordo com Eduardo Elvino, neste caso em específico, foi constatado que não houve grandes danos a fauna e flora marinha, já que a corrente trouxe o elemento direto para as areias das praias.

A CPRH e a Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), em parceria com técnicos do Porto de Suape e da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), estão trabalhando para descobrir qual o navio responsável por despejar o material, baseando-se nas principais correntes marinhas que trouxeram o piche para as praias. 

Em nota, a Semas afirmou que o aparecimento da substância nas praias não está relacionado ao vazamento de água e óleo ocorrido no último dia 26 de agosto, na Refinaria Abreu, em Ipojuca.

Veja também

Tribunal que julga impeachment de Witzel ouvirá 29 testemunhas
Brasil

Tribunal que julga impeachment de Witzel ouvirá 29 testemunhas

Quase 90% do desmatamento da Amazônia em Mato Grosso nos últimos 12 anos foi ilegal
Meio ambiente

Quase 90% do desmatamento da Amazônia em MT nos últimos 12 anos foi ilegal