Notícias

Poderíamos ter salvado vidas com medidas rígidas mais cedo, diz conselheiro de Trump

O número de casos de Covid-19 dos EUA superou o da China no último dia 26. Até o momento, há 530.830 pessoas diagnosticadas com a doença no país e 110.892 mortes.

Montagem de hospital de campanha nos Estados UnidosMontagem de hospital de campanha nos Estados Unidos - Foto: Bryan R. Smith/AFP

O diretor do Instituto Nacional de Doenças Infecciosas dos Estados Unidos, Anthony Fauci, afirmou neste domingo (12) que, se medidas de redução de danos tivessem sido adotadas mais cedo, o país poderia ter salvado vidas.

"Se tivéssemos iniciado [o processo de] mitigação mais cedo, poderíamos ter salvado vidas", disse ele, acrescentando que pedidos de implementação de distanciamento social e confinamento encontraram muita resistência do governo nos primeiros dias do surto nos EUA.

Leia também:
EUA têm maior número de mortes por covid-19 no mundo: mais de 20 mil

"Se tivéssemos fechado tudo desde o início, [a situação] poderia ter sido um pouco diferente. Mas havia uma forte oposição [...] naquela época", disse ele durante entrevista à CNN americana.

De acordo com a reportagem da emissora, autoridades e especialistas de saúde americanos concluíram, já no início da terceira semana de fevereiro, que era necessário substituir as medidas preventivas em vigor por outras, de mitigação de danos -como distanciamento social, fechamento do comércio e suspensão de serviços.

No entanto, o governo Trump só seguiu a recomendação três semanas depois, no dia 16 de março.

O número de casos de Covid-19 dos EUA superou o da China no último dia 26. Até o momento, há 530.830 pessoas diagnosticadas com a doença no país e 110.892 mortes.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Derramamento de óleo no Peru: pássaros mortos e pescadores sem trabalhoDesastre Ambiental

Derramamento de óleo no Peru: pássaros mortos e pescadores sem trabalho

Desinformação sobre vacinação afeta crianças em meio à variante ômicronSaúde

Desinformação sobre vacinação afeta crianças em meio à variante ômicron