LGBTQIA+

Polêmica lei para proteção de pessoas LGBTQIA+ avançando no Japão

O país é o único membro do G7 que não reconhece a união de pessoas do mesmo sexo

TóquioTóquio - Foto: Reprodução/Internet

O Parlamento do Japão nesta terça-feira (13) uma nova lei para "promover a compreensão" das pessoas LGBTQIA+. Os ativistas criticaram o texto por não corresponderem às necessidades.

A lei foi debatida durante meses no Parlamento do país. O Japão é o único membro do G7 que não reconhece a união de pessoas do mesmo sexo.

Os deputados mais conservadores resistiram na inclusão de uma cláusula antidiscriminação, argumentando que agravaria as divisões dentro da sociedade e que poderia levar a processos judiciais abusivos.

O debate terminou com um acordo para uma cláusula que proíbe qualquer "discriminação injusta" contra minorias sexuais.

Os ativistas das causas LGBTQIA+ denunciaram, no entanto, que a palavra "injusta" enfraquece o alcance da cláusula, porque dá a entender que existem discriminações justas.

"Condenamos com veemência esta lei, cujo conteúdo é o contrário do que havíamos reivindicado", reagiu a J-ALL, organização japonesa de defesa dos direitos das pessoas LGBTQIA+.

O texto da lei "trai" as pessoas que "esperaram impacientemente por uma lei para a comunidade LGBT", pois mostra "consideração" excessiva para quem discrimina, acrescentou a J-ALL.

A lei terá que ser aprovada no Parlamento para entrar em vigor, o que a princípio é apenas uma formalidade, já que a coalizão de governo também conta com ampla maioria na Câmara Alta.

Nos últimos meses a pressão aumentou para que o Partido Liberal Democrata (PLD) - do primeiro-ministro Fumio Kishida - adote um texto que protege a comunidade LGBTQIA+, já que o Japão preside o G7, grupo de países industrializados, neste ano.

Ao contrário do governo e da maioria dos deputados japoneses, a população japonesa é amplamente favorável à legislação do casamento entre pessoas do mesmo sexo, de acordo com várias pesquisas.

Veja também

Herdeiro bilionário é condenado a pagar US$ 900 milhões a vítimas de abusos sexuais
CRIME

Herdeiro bilionário é condenado a pagar US$ 900 milhões a vítimas de abusos sexuais

Professores e técnicos da Educação Básica aceitam proposta do governo para encerrar greve
EDUCAÇÃO

Professores e técnicos da Educação Básica aceitam proposta do governo para encerrar greve

Newsletter