Operação

Polícia apreende 200 quilos de maconha e skunk no Jacarezinho

Droga é avaliada em mais de R$ 700 mil; favela está ocupada desde a última quarta-feira, como parte do projeto Cidade Integrada

Apreensão no Jacarezinho Apreensão no Jacarezinho  - Foto: Reprodução

Policiais civis apreenderam na terça-feira 200 quilos de maconha e skunk – uma forma de maconha mais forte, com THC (o principal componente da erva) potencializado – no Jacarezinho, na Zona Norte do Rio. O material estava escondido dentro de um galpão abandonado na localidade conhecida como Campo do Abobóra. A favela está ocupada por policiais militares e civis como parte do projeto Cidade Integrada e desde a última quinta-feira.

De acordo com a Polícia Civil, agentes da 35ª DP (Campo Grande, na Zona Oeste) encontraram o material. Segundo a instituição, os policiais chegaram ao local após um levantamento de dados de inteligência. A droga estava escondida no telhado do galpão.

O governador do Rio, Cláudio Castro, comemorou a apreensão. No Twitter, Castro esrcreveu: "Quero parabenizar a @PCERJ pela apreensão de 200 quilos de droga no Jacarezinho. Mais um resultado positivo do programa Cidade Integrada. Os agentes localizaram o material entorpecente escondido sob o telhado de um galpão abandonado, perto do Campo do Abóbora", escreveu o governador, que completou: "Seguiremos trabalhando para livrar as comunidades das mãos do crime com investigação, inteligência e ação".
 

Segundo a Civil, o material  está avaliado em mais R$ 700 mil, já que parte do produto é de melhor qualidade e poderia ser vendido com um preso diferenciado. Os agentes encontraram também três balanças de precisão, rádios transmissores e três cadernos com anotações do tráfico.

A Polícia Civil afirmou que a investigação da 35ª DP começou há cerca de dois meses contra a quadrilha que atua no Jacarezinho. De acordo o delegado Tullio Antonio Pelosi, titular da delegacia, agentes apuraram crimes envolvendo traficantes que atuam na Zona Oeste e também no Jacaré. Ele não quis informar a circunstância do inquérito.

— Recebemos informações há uns meses e checamos o mínimo de veracidade. O setor de inteligência confirmou a informação (que a droga estava no local) e entramos . Tudo isso acontece em virtude da facilidade para entrar na comunidade — declarou o policial civil , que completou: —  Não houve resistência porque os criminosos não estavam — completou, referindo-se à ocupação do Jacarezinho por forças policiais.

De acordo com o delegado Antenor Martins Lopes Júnior, diretor Geral de Polícia da Capital (DGPC), "o objetivo da investigação era encontrar o galpão com as drogas".

— Por ter mais alta qualidade, acreditamos em mais R$ 700 mil. São importantes essas apreensões, com o objetivo de retomada de território. As investigações continuam e certamente outros criminosos serão presos. Além disso, com os cadernos do tráfico, poderemos encontrar mais detalhes. Essa apreensão é simbólica porque é a primeira grande apreensão no Jacarezinho depois da Cidade Integrada. Não teve confronto e ninguém foi preso. Mas essa investigação continua para prendermos esses traficantes.

O governo do estado destacou que, em quase uma semana no projeto, que inclui Jacarezinho e Muzema, na Zona Oeste do Rio, os agentes já apreenderam mais de 300 quilos de drogas, removeram 27 toneladas de concreto e ferro que obstruíam vias públicas e fizeram 48 prisões.

Veja também

Blinken cita 'divergência real' por fala de Lula sobre Israel, mas destaca aliança
POLÊMICA

Blinken cita 'divergência real' por fala de Lula sobre Israel, mas destaca aliança

Medicamento para a asma pode prevenir riscos de alergias alimentares, diz estudo
PESQUISA

Medicamento para a asma pode prevenir alergias alimentares