Polícia fará reconstituição da morte de menino de 14 anos em favela do Rio

A reconstituição ainda não tem data para acontecer. Fábio Cardoso afirmou que ela será feita após a análise dos depoimentos de testemunhas e policiais que participaram da ação e do resultado da perícia

Hospital Estadual Getúlio Vargas no Rio de JaneiroHospital Estadual Getúlio Vargas no Rio de Janeiro - Foto: Flickr

A Delegacia de Homicídios do Rio de Janeiro afirmou que fará uma reconstituição da morte de Marcos Vinícius da Silva, 14. O estudante foi baleado na última quarta (20) durante operação policial no complexo de favelas da Maré, na zona norte do Rio. Familiares e uma testemunha, que prestaram depoimento nesta segunda (25), afirmam que o tiro que acertou o menino partiu de um blindado na esquina.

Leia também
Três morrem em locais próximos a favelas na zona norte do Rio
Tiroteio deixa um morto em favela na zona sul do Rio


Naquela manhã, a corporação fez uma operação na comunidade, com apoio do Exército, para cumprir 23 mandados de prisão. Ninguém foi preso e sete pessoas morreram, incluindo Marcos Vinícius."Vamos demonstrar se essa versão apresentada pelas testemunhas é possível ou não. Isso tudo o delegado já está planejando, inclusive para que se possa evidenciar de forma técnica", disse à imprensa Fábio Cardoso, chefe da divisão de homicídios, responsável pelas investigações.

A reconstituição ainda não tem data para acontecer. Cardoso afirmou que ela será feita após a análise dos depoimentos de testemunhas e policiais que participaram da ação e do resultado da perícia. Armas usadas pela polícia na ação também devem ser analisadas.

O laudo do IML (Instituto Médico Legal) concluiu na sexta-feira (22) que o garoto foi atingido pelas costas, por alguém que estaria na mesma altura da vítima. O tiro entrou na região lombar do lado esquerdo e saiu pela região esquerda no abdômen.

Segundo familiares, Marcos Vinícius saiu atrasado para a escola naquela manhã e decidiu voltar para casa por causa dos tiroteios. Foi alvejado enquanto caminhava e levado ao pronto-socorro por um morador. A ambulância demorou uma hora para transferi-lo ao Hospital Estadual Getúlio Vargas, onde ele passou por cirurgia, mas acabou morrendo.

Uma futura simulação do caso buscará ainda esclarecer como ocorreram as mortes de cinco suspeitos, disse Cardoso, segundo o portal G1. Eles tinham entre 20 e 30 anos e estavam todos em uma casa na Vila do Pinheiro, uma das favelas da Maré. "O local foi periciado e as investigações estão em andamento para apurar as circunstâncias dessas mortes. Munição de fuzil foi encontrada na casa onde essas pessoas morreram e as investigações vão prosseguir", afirmou o delegado.

A ONG Redes da Maré chegou a publicar em seu site, na quarta-feira, que moradores da região relataram a que os policiais limparam a cena das mortes, o que pode indicar crime premeditado e desmentir a hipótese de morte em confronto. "Segundo informações colhidas pela equipe da Redes da Maré, os policiais utilizavam luvas e teriam desfeito a cena do crime jogando os corpos dos jovens pelo segundo andar da casa onde ocorreu o crime", dizia a reportagem.

Reunião
As declarações foram dadas após uma reunião com o chefe da Polícia Civil fluminense, Rivaldo Barbosa, na sede da corporação, no centro da capital. Participaram do encontro entidades de direitos humanos, como a Anistia Internacional, Redes da Maré, Observatório de Favelas, Comissão de Direitos Humanos da Alerj (Assembleia Legislativa) -com o deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL)- e Defensoria Pública do estado.

Os representantes cobraram um plano de redução de danos para operações em áreas populosas e criticaram rasantes e tiros dados por helicópteros em ações. O uso das aeronaves foi defendido pelo delegado Fábio Barucke, diretor do Departamento Geral de Polícia da Capital.

"A utilização de helicópteros cessa e elimina, diminuindo o confronto entre os opositores de forma horizontal. Com a chegada do helicóptero, os marginais que se posicionam contra as ações policiais cessam os tiros e eliminam a resistência", disse Barucke, segundo o G1.

Veja também

Acusado de canibalismo, Armie Hammer disse que quase foi esfaqueado durante sexo
Famosos

Acusado de canibalismo, Armie Hammer disse que quase foi esfaqueado durante sexo

Índia inicia grande campanha de vacinação contra a covid-19
Vacinação

Índia inicia grande campanha de vacinação contra a covid-19