Notícias

Polícia identifica seis falsos desaparecidos em lista de vítimas de Brumadinho

Falta de experiência com grandes tragédias tem facilitado a ação de golpistas em busca de indenização

Bombeiros resgatam desaparecidos após rompimento de barragem em BrumadinhoBombeiros resgatam desaparecidos após rompimento de barragem em Brumadinho - Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros de Minas Gerais

Desde o dia 25 de janeiro, quando uma barragem da Vale se rompeu na mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), a Polícia Civil de Minas Gerais já pediu a retirada de 17 nomes da lista de desaparecidos. A tragédia deixou 224 mortos, até o momento.

Três destes nomes foram retirados da lista na última sexta-feira (5). No final de semana os desaparecidos passaram de 75 para 69. Mais três mortos foram identificados. Segundo a Polícia Civil, dos 17 nomes retirados, 11 tinham erros de grafia, estavam duplicados ou eram de pessoas que estavam vivas e não haviam comunicado às autoridades; seis foram por estelionato.

Em um dos casos identificados, um homem vindo de São Paulo alegava ter perdido o irmão na tragédia. Ele chegou a ter DNA coletado para ajudar na identificação do corpo, conseguiu passagens, hospedagem e alimentação custeados pela Vale e estava prestes a encaminhar um requerimento para pedir o pagamento de R$ 100 mil feito às famílias que perderam parentes na tragédia.

O irmão dele, porém, foi localizado trabalhando como vendedor ambulante em Praia Grande (no litoral paulista). A polícia descobriu ainda que o falso desaparecido era foragido da Justiça de Santa Catarina, onde tinha um mandado de prisão aberto por homicídio. Os dois irmãos foram presos.

Leia também:
Justiça manda Vale pagar pensão e seguro-saúde a vítimas de Brumadinho
Lama de Brumadinho chega ao Rio São Francisco
Desastre é maior que em Brumadinho, diz brasileiro em Moçambique

Em outro caso, uma mulher registrou o irmão morto desde 2010 como uma das vítimas. A polícia abriu inquérito por tentativa de estelionato. "As pessoas que foram presas em flagrante delito nessas tentativas de fraude são pessoas de outros estados. Pessoas que tiveram passagens aéreas, hospedagem, alimentação, tudo financiado pela Vale. Vieram de longe para cometer a fraude", afirma a delegada Ana Paula Gontigo, titular em Brumadinho e que investiga os nomes nas listas de desaparecidos.

De acordo com a delegada, o fato de o Brasil não ter experiência para lidar com grandes tragédias pode ter facilitado a ação dos golpistas. Como ninguém sabia quantas pessoas poderiam ter sido mortas ou atingidas pela lama após o rompimento, isso abriu oportunidade para que inserissem os nomes falsos.

Quase 70 dias depois do desastre, com a lista diminuindo, a polícia pretende investir mais no trabalho de investigação sobre cada um dos desaparecidos. Entre os 69 nomes, há 18 pessoas cujos familiares ainda não compareceram ao Instituto Médico Legal (IML), em Belo Horizonte, para fazer a coleta de DNA para a identificação das vítimas.

"O trabalho da Polícia Civil ajuda com o trabalho dos Bombeiros, porque esse número de pessoas que ainda faltam ser encontradas influencia diretamente na logística e no planejamento da execução de atividades deles nas buscas", diz a delegada.

Veja também

Mulher de 32 anos corre 36 maratonas em 36 dias, médicos alertavam que ela não passaria de 16 anos
superação

Mulher de 32 anos corre 36 maratonas em 36 dias, médicos alertavam que ela não passaria de 16 anos

Sirenes, mísseis e drones fazem parte do dia a dia dos ucranianos em Kiev
guerra na ucrânia

Sirenes, mísseis e drones fazem parte do dia a dia dos ucranianos em Kiev

Newsletter