Litoral Sul

Polícia Militar detalha troca de tiros que matou menina de 6 anos em Porto de Galinhas

Ainda não foi informado de que arma foi disparado o tiro que atingiu a criança

Coronel da PM Alexandre TavaresCoronel da PM Alexandre Tavares - Foto: Arthur de Souza/Folha de Pernambuco

A Polícia Militar de Pernambuco (PM/PE) detalhou, nesta quinta-feira (31), a ação policial que terminou em troca de tiros entre o Batalhão de Operações Especiais (Bope) e suspeitos de tráfico de drogas, e resultou na morte de uma criança de seis anos atingida por uma bala perdida em Porto de Galinhas, Ipojuca, no Litoral Sul do Estado.

O caso aconteceu na noite dessa quarta-feira (30). Segundo o diretor integrado especializado da PM, coronel Alexandre Tavares, sete policiais do Bope faziam patrulhamento em duas viaturas na comunidade de Salinas, quando identificaram uma motocicleta com dois homens e tentaram realizar uma abordagem. 

"O policiamento tentou abordá-los, realizar busca pessoal, foi quando os elementos iniciaram disparos de arma de fogo contra a equipe, que reagiu àquela injusta agressão na mesma força, usando de armas de fogo, buscando cessar aquela agressão", afirmou.

Ainda de acordo com o coronel Alexandre, instantes depois do confronto, a equipe verificou que uma criança havia sido atingida. A vítima é Heloísa Gabriellebaleada no peito.

"A equipe, de imediato, parou as buscas pelos suspeitos e fez o socorro à vítima, que se encontrava com vida. Colocou ela numa viatura e acompanhou a menina para um centro médico de Porto de Galinhas".

Em seguida, Heloísa chegou a ser transferida para a Unidade de Pronto Atendimento do Centro de Ipojuca, mas não resistiu e morreu.


Uma das armas dos suspeitos foi deixada no local do confronto no momento da fuga. "Essa arma estava com quatro disparos, ou seja, com quatro munições deflagradas, e foi apresentada à Policia Civil para ser anexada à investigação. Uma viatura foi atingida com dois tiros".

Ainda não foi informado de que arma foi disparado o tiro que atingiu Heloísa. O coronel informou que a ação ainda está sendo investigada e que novos fatos só poderão ser informados após a conclusão do inquérito. 

"A Polícia Militar de Perambuco presta solidariedade aos familiares, aos amigos e à comunidade pelo fato não desejado que ocorreu. Não faz parte da doutrina militar a gente realizar um patrulhamento disparando a esmo. A formação dos policiais é justamente o contrário".

O representante da PM informou, ainda, que os policiais envolvidos foram apresentados à Diretoria de Polícia Judiciária Militar e já prestaram depoimento 

"Todas as nossas ações são pautadas pela legalidade. Se lá na frente a investigação apresentar culpabilidade por parte da polícia, todas as medidas disciplinares serão adotadas pela instituição", afirmou.

Veja também

Moradores fecham pista da Av. Agamenon Magalhães após fio de alta tensão cair em rua da Zona Norte
Recife

Moradores fecham pista da Av. Agamenon após fio de alta tensão cair em rua da Zona Norte

Índia proíbe plásticos de uso único para combater o desperdício
Meio Ambiente

Índia proíbe plásticos de uso único para combater o desperdício