Polícia nega prisão de suspeito de matar a menina Beatriz

Criança foi assassinada a facadas durante festa escolar em Petrolina

Governador sancionou projeto de lei que regulamenta as comunidades terapêuticas no EstadoGovernador sancionou projeto de lei que regulamenta as comunidades terapêuticas no Estado - Foto: Américo Santos/SEI

Diferente da informação que circulou nesta quarta-feira (4), o homem detido no interior da Bahia e que seria suspeito da morte da menina Beatriz, de 7 anos, assassinada a facadas em Petrolina, Sertão de Pernambuco, não tem nada a ver com o crime. A informação, que havia sido divulgada pela Polícia Civil de Pernambuco no início da manhã, foi desmentida.

De acordo com a PC, a Polícia Civil da Bahia solicitou, na última terça-feira (3), exame de DNA para um homem preso por outros crimes, no município de Remanso, interior baiano, e comunicou o fato à polícia pernambucana. Depois foi esclarecido, no entanto, que o homem não parecia de fato com o retrato falado do suspeito pela morte de Beatriz, nem com as imagens de câmeras da escola onde ocorreu o crime.

Beatriz Angélica Mota foi morta com 42 facadas em dezembro de 2015 e, até hoje, ninguém foi preso. Ainda segundo a polícia, a delegada Gleide Ângelo e peritos trabalham em Petrolina, no Sertão.

Veja também

Recife abre vacinação contra a Covid-19 para o público a partir de 28 anos
Coronavírus

Recife abre vacinação contra a Covid-19 para o público a partir de 28 anos

Campanha nacional contra Bolsonaro marca nova manifestação para 7 de setembro
Protesto

Campanha nacional contra Bolsonaro marca nova manifestação para 7 de setembro