Polícia prende mãe suspeita de assassinar filha de 10 meses no Agreste

O pai da criança também foi preso. Polícia localizou armas e drogas na residência.

Armas e drogas encontradas na residência do casalArmas e drogas encontradas na residência do casal - Foto: Divulgação/Polícia Militar de Pernambuco

Policiais militares prenderam uma mãe suspeita de matar a própria filha, uma criança de apenas 10 meses de idade, identificada como Ágata Barbosa Ferreira. A prisão ocorreu na noite dessa quinta-feira (5), em Toritama, no Agreste pernambucano.

Populares informaram aos policiais que a mulher seria responsável pelo disparo, que foi feito contra o rosto da criança. Na residência, localizada no Sítio Oncinha, foram encontradas armas e drogas e o marido da suspeita também foi preso. Os suspeitos não tiveram suas identidades divulgadas.

Leia também:
Polícia prende mulher por matar filho de três meses
Morte de bebê de 7 meses por sarampo no Agreste é confirmada

O casal fugiu do local do crime, mas foi encontrado logo em seguida. Eles foram autuados por tráfico, porte ilegal de arma de fogo e infanticídio. Os policiais chegaram ao local com a bebê já sem vida. "A gente lamenta demais essa tristeza. Uma família destruída numa fração de segundos. Possivelmente ela usou uma arma do marido e deu um único disparo. O tiro foi no rosto e atravessou o crânio da criança. Ainda é cedo para saber o porquê, as investigações devem apontar o motivo", falou o delegado Flaubert Queiroz.

Ainda foram localizados na residência 12 gramas de maconha, uma balança de precisão, um revólver calibre 38, 3 gramas de maconha e 109 pinos de cocaína. Os suspeitos foram conduzidos para a Delegacia de Polícia Civil de Santa Cruz do Capibaribe, também no Agreste.

Veja também

Fachin determina que governo do Rio justifique operações policiais realizadas na pandemia
rio de janeiro

Fachin determina que governo do Rio justifique operações policiais realizadas na pandemia

Maria da Penha Virtual agiliza pedidos de medida protetiva no Rio
agressão

Maria da Penha Virtual agiliza pedidos de medida protetiva no Rio