Policiais civis e militares de PE têm férias suspensas até janeiro

Em portaria, o Estado repetiu a estratégia adotada para dezembro por causa da operação padrão da PM

Administradores também devem aproveitar a ocasião para se manifestar sobre recentes declarações do presidente Jair BolsonaroAdministradores também devem aproveitar a ocasião para se manifestar sobre recentes declarações do presidente Jair Bolsonaro - Foto: André Oliveira/Divulgação

O Governo resolveu repetir a estratégia, adotada na segunda quinzena de dezembro, e também cancelar as férias dos servidores da segurança pública no primeiro mês de 2017. A medida vale para policiais civis e militares. Em nova portaria, a Secretaria de Defesa Social (SDS) torna a justificar a decisão pela necessidade de reduzir a criminalidade em Pernambuco. Mesmo com as Forças Armadas nas ruas, o número de assassinatos cresceu, se comparado ao mesmo período do ano anterior.

De acordo com o secretário, Ângelo Gioia, a situação no Estado é de anormalidade. “Vivemos a retratação de grande parte do efetivo, o que gerou a necessidade de reeditarmos a portaria. Não há nenhuma satisfação em retirar o período de férias. Porém, enquanto não alcançarmos números confortáveis para oferecer mais segurança ao povo, essas medidas estarão valendo”, explicou o gestor. Segundo ele, se faz necessária a permanência dos policiais em seus postos, durante esse período, já que a situação dos PJEs (Programa de Jornada Extra) ainda não foi resolvida. Os profissionais agora devem reprogramar o gozo, apenas a partir de março de 2017.

Permanece valendo a determinação como falta ou abandono de serviço para os profissionais que não cumprirem os seus plantões. O entrave entre as forças de segurança e o Governo do Estado, ainda segue sem solução. A PM mantém uma operação padrão, onde cobra reajuste salarial e melhores condições de trabalho. Gioia nega a falta de diálogo. “A negociação sempre esteve aberta através dos comandos e depende da movimentação das associações. Nossa decisão decorre de uma necessidade pontual e de um momento criado por eles mesmos. Numa perspectiva futura de retorno da normalidade, talvez até na próxima semana, tudo poderá ser revisto”, assegurou. A SDS afirma que as situações excepcionais serão avaliadas individualmente.

Desaprovando a medida, representações da categoria ingressam, nesta segunda-feira, com medidas judiciais para tentar derrubar a nova regra. O presidente do Sindicato dos Policiais Civis, Áureo Cisneiros, classificou a situação como desrespeitosa. “São trabalhadores que já tinham se programado com seus familiares e agora têm os seus direitos privados. Se o Governo tem como argumento a violência, que só tende a aumentar, os policiais não conseguirão gozar férias nunca”, disparou. Segundo ele, mandados de segurança, individuais e coletivos, pedirão a manutenção das férias. O presidente da Associação de Cabos e Soldados (ACS-PE), Alberisson Carlos, também criticou. “Fica clara uma retaliação contra trabalhadores que atuam o ano inteiro em condições insalubres e se recusam a vender as suas folgas. Nossos advogados já estão trabalhando.”

Veja também

Vogue vai publicar nova capa com Kamala Harris após avalanche de críticas
Polêmica

Vogue vai publicar nova capa com Kamala Harris após avalanche de críticas

Joe Biden e Kamala Harris homenageiam 400 mil vítimas da Covid-19 no país
Estados Unidos

Biden e Kamala homenageiam 400 mil vítimas da Covid-19