Policiais civis fazem operação para prender autores de feminicídio

De acordo com o ministério, em alguns estados a operação também vai cumprir mandos de prisões de pessoas que “descumpriram medidas protetivas previstas na Lei Maria da Penha”

Raul Jungmann no LideRaul Jungmann no Lide - Foto: Arthur de Souza/Folha de Pernambuco

Mais de 2 mil policiais civis de todo o país cumprem, desde o começo da manhã desta sexta-feira (24), mandados de prisão de autores de homicídios e feminicídios (tentados e consumados). A Operação Cronos tem o apoio do Ministério da Segurança Pública e é coordenada pelo Conselho Nacional dos Chefes de Polícias Civis. Ela foi definida em julho, durante reunião com o ministro da Raul Jungmann.

De acordo com o ministério, em alguns estados a operação também vai cumprir mandos de prisões de pessoas que “descumpriram medidas protetivas previstas na Lei Maria da Penha”.

Leia também:
Denúncias de feminicídio e tentativas de assassinato chegam a 10 mil
Mais de 10 mil processos de feminicídio aguardavam decisão em 2017


O nome da operação, Cronos, é uma referência à “supressão do tempo de vida da vítima, reduzido pelo autor do crime. Ao mesmo tempo, com a prisão dos autores de homicídio e feminicídio, espera-se o impedimento da prática de novos crimes”.

Veja também

Popularidade de Bolsonaro cai em plena segunda onda da pandemia no Brasil
Política

Popularidade de Bolsonaro cai em plena segunda onda da pandemia no Brasil

Máscaras de tecido continuam sendo eficazes contra a covid-19, diz OMS
Prevenção

Máscaras de tecido continuam sendo eficazes contra a covid-19, diz OMS