População não vacinada contra febre amarela no País é 'alto risco', diz OMS

Desde julho do ano passado, o Ministério da Saúde contabiliza 35 pacientes com a doença, com 20 mortes

Vacina para febre amarelaVacina para febre amarela - Foto: André Borgres/Agência Brasília

O grande número de pessoas não vacinadas contra a febre amarela em áreas com ecossistema favorável ao vírus representa um alto risco de mudança no patamar de transmissão. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (22), em um comunicado emitido pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Desde julho do ano passado, o Ministério da Saúde contabiliza 35 pacientes com a doença, com 20 mortes. A situação mais crítica é a de São Paulo. Na semana passada, o governo Geraldo Alckmin (PSDB) confirmou 41 novos casos - o total, desde o início de 2017, chega a 81.

Para bloquear o vírus, o ministério lançou uma campanha que pretende imunizar, em menos de 50 dias, 21,8 milhões de pessoas no Rio, em São Paulo e na Bahia. Para a OMS, a medida deve limitar o avanço da doença, mas é possível prever percalços. "É importante notar que, devido à sua escala e alcance, esta campanha de vacinação em massa provavelmente será caracterizada por desafios logísticos significativos", diz o texto.

Leia também:
Sobe para seis número de mortes por febre amarela no estado do Rio
SP confirma três mortes por reação à vacina da febre amarela
Autorizado repasse de R$ 30 milhões para vacinação contra febre amarela no Rio
Pacientes formam longas filas em busca de vacina contra febre amarela no Recife


O comunicado afirma ainda que o grande número de mortes de macacos por febre amarela no país, especialmente em São Paulo, indica um alto nível de concentração do vírus em ecossistemas favoráveis à transmissão no Brasil. Esse dado, para a entidade, é especialmente preocupante quando as mortes acontecem perto de grandes cidades como a capital paulista.

A capital paulista não tem casos humanos da doença, mas registrou mortes de macacos em áreas como o Horto Florestal (zona norte) -todas as 17 famílias de bugios foram exterminadas.

O texto da OMS cita ainda o caso do vírus "exportado" para a Holanda no início de janeiro e informa que o paciente chegou ao país após passar por Mairiporã e Atibaia, duas cidades com circulação do vírus em São Paulo. Ele passa bem.

A entidade mantém a recomendação de vacina a todos os viajantes internacionais com destino a qualquer área do Estado de São Paulo.

Veja também

Homem é espancado por grupo de pessoas em confusão por som alto no Janga, em Paulista
Violência

Homem é espancado por grupo de pessoas em confusão por som alto no Janga, em Paulista

Letalidade menor da Covid-19 eleva dúvidas sobre confinamentos, diz epidemiologista
Entrevista

Letalidade menor da Covid-19 eleva dúvidas sobre confinamentos, diz epidemiologista