Por decreto, Fernández proíbe demissões na Argentina pelos próximos 60 dias

A decisão surgiu depois que uma das principais empresas do país, a Techint, decidiu demitir, sem justa causa, 1.450 funcionários

Alberto FernándezAlberto Fernández - Foto: JUAN MABROMATA / AFP

O presidente argentino, Alberto Fernández, decidiu nesta quarta-feira (1º), por meio de um decreto, proibir demissões "sem justa causa ou por conta de diminuição de trabalho e força maior", pelos próximos 60 dias. A argentina está em quarentena obrigatória pelo menos até o dia 12 de abril.

A decisão surgiu depois que uma das principais empresas do país, a Techint, decidiu demitir, sem justa causa, 1.450 funcionários. Depois de um longo enfrentamento com a empresa, Fernández convenceu os diretores da Techint a readmiti-los.

Leia também:
Bolsonaro anuncia que vai sancionar auxílio de R$ 600 para aliviar impacto do coronavírus
ONU e OMC alertam para risco de 'escassez de alimentos' provocada pelo coronavírus

O decreto também liberou a transferência de 30 bilhões de pesos argentinos ao Fundo de Garantia local que podem ser retirados pelas empresas "com o objetivo de facilitar empréstimos a micro, pequenas e médias empresas e evitar demissões".

Os empresários começaram a reclamar com o governo desde a ampliação da quarentena obrigatória, decretada no último domingo. Buzinaços e panelaços promovidos pelos empresários contra as medidas começaram a ocorrer, à noite, em Buenos Aires.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

México doa 400.000 vacinas anticovid para Guatemala, Honduras e El Salvador
Covid-19

México doa 400.000 vacinas para Guatemala, Honduras e El Salvador

Fósseis de misteriosos seres humanos arcaicos são encontrados em Israel
ARQUEOLOGIA

Fósseis de misteriosos humanos arcaicos são encontrados em Israel