Notícias

Por decreto, Fernández proíbe demissões na Argentina pelos próximos 60 dias

A decisão surgiu depois que uma das principais empresas do país, a Techint, decidiu demitir, sem justa causa, 1.450 funcionários

Alberto FernándezAlberto Fernández - Foto: JUAN MABROMATA / AFP

O presidente argentino, Alberto Fernández, decidiu nesta quarta-feira (1º), por meio de um decreto, proibir demissões "sem justa causa ou por conta de diminuição de trabalho e força maior", pelos próximos 60 dias. A argentina está em quarentena obrigatória pelo menos até o dia 12 de abril.

A decisão surgiu depois que uma das principais empresas do país, a Techint, decidiu demitir, sem justa causa, 1.450 funcionários. Depois de um longo enfrentamento com a empresa, Fernández convenceu os diretores da Techint a readmiti-los.

Leia também:
Bolsonaro anuncia que vai sancionar auxílio de R$ 600 para aliviar impacto do coronavírus
ONU e OMC alertam para risco de 'escassez de alimentos' provocada pelo coronavírus

O decreto também liberou a transferência de 30 bilhões de pesos argentinos ao Fundo de Garantia local que podem ser retirados pelas empresas "com o objetivo de facilitar empréstimos a micro, pequenas e médias empresas e evitar demissões".

Os empresários começaram a reclamar com o governo desde a ampliação da quarentena obrigatória, decretada no último domingo. Buzinaços e panelaços promovidos pelos empresários contra as medidas começaram a ocorrer, à noite, em Buenos Aires.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Contágios da varíola do macaco geram preocupação na Europa
Saúde

Contágios da varíola do macaco geram preocupação na Europa

Paulista realiza vacinação contra a Covid-19 em seis polos neste sábado
Saúde

Paulista realiza vacinação contra a Covid-19 em seis polos neste sábado