Povo não sai mais às ruas para defender nossas estatais

PSB se opõe à venda da Chesf com base em argumentos levantados por Miguel Arraes

Em uma primeira etapa do plano de demissão, houve a adesão de 736 empregadosEm uma primeira etapa do plano de demissão, houve a adesão de 736 empregados - Foto: Agência Brasil

Está marcada para amanhã, no Recife, uma assembleia geral extraordinária da Chesf para discutir mudanças no seu estatuto. Ela perderá sua autonomia, ficando totalmente subordinada à Eletrobrás, empresa que integra o Plano Nacional de Desestatização do governo Michel Temer. Em Pernambuco, é grande a movimentação de políticos do PSB contra a privatização da Chesf com base no velho argumento de que se valeu Miguel Arraes para se contrapor à venda da empresa durante o governo FHC: privatizá-la significa privatizar também o São Francisco, já que ela depende do rio para sobreviver. A propósito, pesquisa recente do Datafolha constatou que a maioria dos brasileiros é contra a privatização de nossas estatais, sobretudo do Banco do Brasil, da Caixa Econômica e da Petrobrás. Não por consciência política e sim pela “lavagem cerebral” de que foi alvo nas três últimas campanhas presidenciais, nos seguintes termos: o que é do estado é bom para o povo, e o que é privado não presta. Só que, na prática, o brasileiro está pouco se lixando sobre se nossa telefonia celular é controlada pelo estado ou por grupos privados. Quer que ela funcione e lhe ofereça serviços de qualidade. Além do mais, depois que a Petrobrás foi saqueada por políticos inescrupulosos, que dividiam o poder com o presidente da República de plantão, quem mais se dispõe a sair às ruas para defender nossas estatais a exemplo do que se fez, por exemplo, na década de 50, com a campanha “O petróleo é nosso?”

Descanso para férias

O prefeito de Araripina, Raimundo Pimentel (PSL), tirou 10 dias de férias para descansar. Viajou ontem para Londres em companhia da mulher, Socorro, deputada estadual pelo PSL. Até o próximo dia 27, o município será governado pelo vice-prefeito Bringel Filho, herdeiro político do ex-deputado Emanuel Bringel e candidato a deputado federal pelo PSDB.

Para todos - Embora em conflito com a Compesa, o prefeito de Petrolina, Miguel Coelho (PSB), afirma que ela também pode se habilitar para participar da concorrência pública que selecionará a empresa responsável pela gestão dos serviços de água e esgoto do município.

Fórum - O desembargador Leopoldo Raposo, que está concluindo o seu mandato na presidência do Tribunal de Justiça, esteve ontem em Bezerros para autorizar a construção do novo fórum do município. O prefeito (e seu primo) Severino Otávio Raposo (PSB) deu-lhe as boas vindas.

Pela paz - O prefeito Bruno Pereira (PTB) reassumiu ontem a Prefeitura de São Lourenço, da qual ficou afastado por 113 dias, com a mão estendida para o vice, Gabriel Neto (sem partido), que o substituiu durante o período de afastamento: propôs-lhe uma reconciliação.

Pode mais - A direção da Rede em Pernambuco convidou o ex-prefeito de Petrolina, Júlio Lossio, para participar de um debate hoje no Recife com a sua militância. Quer saber com detalhes o que significa o movimento “Pernambuco pode mais” que Lossio lançou no Sertão.

Carnaval - Pela primeira vez, em sua história, Olinda vai realizar um carnaval apenas com recursos de patrocinadores. Dos cofres da prefeitura não sairá um tostão, garante o prefeito Professor Lupércio (SD). O tamanho do carnaval, diz ele, será o tamanho do patrocínio.

Prevenção
- Joaquim Neto (PSDB), prefeito de Gravatá, submeteu-se ontem a uma bateria de exames no Hospital Português do Recife. A saúde está em forma, mas o peso além do desejável.

Veja também

Dom Hélder Câmara recebe título de Patrono dos Direitos Humanos de Pernambuco
Reconhecimento

Dom Hélder Câmara recebe título de Patrono dos Direitos Humanos de Pernambuco

Explosão piora situação dos milhares de refugiados sírios em Beirute
líbano

Explosão piora situação dos milhares de refugiados sírios em Beirute