Preço do Zona Azul sobe e vai a R$ 3

Novo valor será aplicado a partir desta segunda-feira, no Recife. Aumento foi de R$ 200%

José Patriota e Niki Fabiancic, coordenador residente da ONU no BrasilJosé Patriota e Niki Fabiancic, coordenador residente da ONU no Brasil - Foto: Ascom

O preço da "folhinha" do Zona Azul vai subir de R$ 1 para R$ 3, no Recife. O aumento de 200% já começa a valer a partir desta segunda-feira (16). O talão que era comercializado a R$ 10 passa a ser vendido a R$ 30.

>> Leia mais: Aumento da passagem de ônibus é aprovado no Grande Recife

O anúncio foi feito nesta sexta-feira (13) pela presidente da Companhia de Trânsito e Transporte Urbano (CTTU), Taciana Ferreira. O decreto regulamentado será publicado neste sábado (14). A multa volta a ser aplicada na quarta-feira (18). Quem ainda tem "folhinha" de R$ 1 terá até 60 dias para usar os bilhetes restantes.  

Segundo a CTTU, a medida tem por objetivo corrigir a defasagem acumulada no preço cobrado pelo talão, que não obteve reajuste desde 1998. O bilhete do Zona Azul não era vendido desde o início deste mês. Na ocasião, a CTTU alegou que "um problema na impressão atrasou a entrega dos talões na cidade".

De acordo com a CTTU, ainda neste primeiro semestre de 2017, a Zona Azul deve ser estendida ao entorno de mercados como os da Encruzilhada, Água Fria, Casa Amarela e Afogados. O valor arrecadado, atualmente, é de cerca de R$ 210 mil e os custos, ainda segundo a CTTU, chegam a R$ 350 mil. "Pela inflação, o valor deveria subir para mais de R$ 3,50", segundo Taciana Ferreira.

Há, ainda, a expectativa que, ainda este ano, seja implantado um formato eletrônico de cobranças pelo smartphone, já que o atual formato de talão não garante a rotatividade das vagas, segundo a presidente da CTTU.

>> Veja também: Falha de impressão atrasa entrega de talões de Zona Azul no Recife

Veja também

Grandes organizações internacionais pedem para priorizar vacinação em países pobres
Vacinação

Grandes organizações internacionais pedem para priorizar vacinação em países pobres

Brasil bate a marca de 100 milhões de pessoas vacinadas
Vacinação

Brasil bate a marca de 100 milhões de pessoas vacinadas