A-A+

Atentado

Prédio da ONU é atacado no oeste do Afeganistão

Um policial morreu, e vários ficaram ferido

ONU no AfeganistãoONU no Afeganistão - Foto: UNAMA/Fardin Waezi

Os escritórios das Nações Unidas foram atacados nesta sexta-feira (30) em Herat, a grande cidade do oeste do Afeganistão, em torno da qual talibãs e forças do governo se enfrentam — informou a missão da ONU neste país, condenando a ofensiva.

"Este ataque contra a entrada de um edifício das Nações Unidas, claramente identificado, foi levado a cabo por elementos antigovernamentais", declarou a missão (UNAMA).

Um policial morreu, e vários ficaram feridos, informou a mesma fonte. Nenhum funcionário da ONU foi atingido.

A entrada do complexo foi alvo de disparos de lança-foguetes e de outras armas, relatou a UNAMA.

A área onde o prédio está localizado era palco de confrontos entre talibãs e as forças do governo nesta sexta, segundo a missão da ONU.

 

"Este ataque às Nações Unidas é lamentável, e nós o condenamos nos mais duros termos", disse a representante especial do secretário-geral da ONU no Afeganistão e chefe da UNAMA, Deborah Lyons, citada no comunicado.

"Aqueles que cometeram este ataque devem ser identificados e responsabilizados", acrescentou. 

O direito internacional proíbe ataques contra pessoal civil e contra prédios da ONU. Sua ocorrência pode ser equiparada a crimes de guerra, lembrou a UNAMA, que homenageou os guardas afegãos que defenderam o complexo.

Nesta sexta-feira, muitos habitantes fugiam dos arredores de Herat, devido aos combates entre tropas do governo e talibãs, que se aproximam desta cidade. Com cerca de 600.000 habitantes, Herat é a terceira mais populosa do país.

Veja também

Recife confirma primeira morte por chikungunya em 2021; é a segunda por arbovirose na cidade
Arboviroses

Recife confirma primeira morte por chikungunya em 2021; é a segunda por arbovirose na cidade

Governo libera R$ 19 mi para compra de radiofármacos após paralisação de produção

Governo libera R$ 19 mi para compra de radiofármacos após paralisação de produção