Coronavírus

Prefeito de BH diz que é desesperador abrir comércio agora e mantém fechamento

O prefeito Alexandre Kalil (PSD) se reuniu com comerciantes e empresários para discutir a questão

Alexandre KalilAlexandre Kalil - Foto: Divulgação

Depois da primeira semana de recuo na flexibilização, a Prefeitura de Belo Horizonte decidiu manter abertas apenas atividades consideradas essenciais. Um retorno à chamada fase de controle, do início da quarentena.

O prefeito Alexandre Kalil (PSD) se reuniu com comerciantes e empresários para discutir a questão, nesta quinta-feira (2), e ressaltou que nunca esteve em lado oposto a eles.

"Abrir o comércio neste momento é desesperador. Em Belo Horizonte, estamos muito próximos do achatamento da curva de contaminação que, no entanto, vem aumentando loucamente em Minas Gerais", afirmou.

Kalil foi alvo de protestos durante a semana, que pediam a reabertura do comércio. Segundo o prefeito, os efeitos do recuo na flexibilização, efetivado na última segunda, poderão ser avaliados na próxima semana. O período de incubação do novo coronavírus é estimado em até 14 dias.
 

A capital tem 7.144 casos confirmados e 158 mortes, de acordo com o boletim municipal desta quinta. A ocupação de UTIs reservadas para Covid-19 chegou a 87% na quarta, enquanto em leitos de enfermaria a taxa é de 73%.

No dia 25 de maio, quando BH iniciou a reabertura, a cidade tinha 1.444 casos e 42 mortes.

A reabertura depende dos números da epidemia e da ocupação de leitos, segundo ele - desde março, houve ampliação de 400% no número de leitos na capital mineira.

Até a próxima semana, a prefeitura deve analisar a proposta do Sindilojas-BH (Sindicato dos Lojistas), de abertura durante quatro dias da semana (terça a sexta-feira), entre às 11h e 19h. Serviços considerados essenciais seguiriam com funcionamento normal, adotando protocolos de segurança.

Veja também

Contágio acelerado completa 15 semanas no Brasil, indicam cálculos
Coronavírus

Contágio acelerado completa 15 semanas no Brasil

Vacina da Oxford preveniu pneumonia em macacos
Coronavírus

Vacina da Oxford preveniu pneumonia em macacos