Prefeito de Nova York anuncia fechamento de escolas públicas até o final do ano escolar

Medida afeta 1,1 milhão de crianças e jovens nas escolas públicas da cidade, que têm tido aulas on-line desde 16 de março

Bill de Blasio, prefeito de Nova YorkBill de Blasio, prefeito de Nova York - Foto: Andrew Burton/AFP

As escolas públicas da cidade de Nova York ficarão fechadas até o final do ano letivo devido ao coronavírus, anunciou o prefeito neste sábado, embora o governador do estado tenha esclarecido posteriormente que a decisão final é dele e deve ser tomada em coordenação com a região metropolitana.

"Fechar nossas escolas públicas pelo resto do ano (escolar) não é fácil, mas é necessário salvar vidas", disse de Blasio ao anunciar a decisão "dolorosa" em uma entrevista coletiva.

A medida afeta 1,1 milhão de crianças e jovens nas escolas públicas da cidade, que têm tido aulas on-line desde 16 de março.

Leia também:
Maioria dos mortos pela Covid-19 em Nova York são latinos
Tigresa de zoológico em Nova York testa positivo para o coronavírus

De Blasio disse que tomou a decisão após uma conversa que teve na noite de sexta-feira com Anthony Fauci, o principal cientista do governo dos EUA na luta contra a COVID-19.

No entanto, o governador Andrew Cuomo, antigo rival do prefeito - embora ambos sejam democratas - disse pouco depois que a decisão sobre quanto tempo as escolas deveriam ser fechadas corresponde a ele e deve ser tomada em coordenação com o restante da área metropolitana, e idealmente próximo aos estados vizinhos de Nova Jersey e Connecticut.

"Você não pode tomar uma decisão apenas para a cidade de Nova York sem coordenar com toda a região metropolitana, porque tudo funciona em conjunto", disse Cuomo a repórteres.

Questionado se ele tem o poder legal de fechar as escolas de Nova York, ele respondeu: "É minha autoridade legal nessa situação, sim". "Entendo a posição do prefeito, que quer fechá-las até junho, e talvez façamos isso, mas faremos em coordenação com as outras localidades", acrescentou.

Nesse caso, as escolas seriam reabertas em setembro, para o início do novo ano escolar.

- "Temos razão" -
"A reação do governador à nossa decisão de fechar escolas lembra como ele reagiu quando o prefeito pediu o isolamento" da população do vírus, disse o porta-voz de De Blasio, Freddi Goldstein.

"Estávamos certos naquele momento e estamos certos agora. As escolas permanecerão fechadas, da mesma maneira que eventualmente - dias depois - passamos a um modelo de isolamento", acrescentou Goldstein em sua conta no Twitter.

Cuomo na segunda-feira passada estendeu o fechamento de todas as escolas do estado para 29 de abril e disse que não haverá nova decisão imediata sobre o assunto.

O número de mortos pela COVID-19 continua a aumentar na Big Apple e ultrapassa 5.800. Mais de 92.000 moradores da cidade foram infectados.

Nas últimas 24 horas, o estado registrou 783 mortes, pouco menos do que o recorde da semana passada, de 799.

O número "está se estabilizando, mas a um ritmo horrível", disse Cuomo.

O estado de Nova York, o mais afetado pela pandemia nos Estados Unidos, "o número de hospitalizações parece ter atingido o ápice, e o ápice parece ser um platô", disse Cuomo. "Todos os números estão em uma curva descendente".

O estado de Nova York, com 19 milhões de habitantes, já registra mais de 170.000 casos de coronavírus - mais que Itália, Espanha ou França - e mais de 8.627 mortes, de acordo com o último balanço oficial.

O prefeito De Blasio também informou que 6.000 adultos solteiros que vivem em abrigos para sem-teto na cidade de Nova York - um terço do total - serão transferidos para hotéis "para garantir que as pessoas que precisam ficar isoladas estejam isoladas".

Veja também

Mundo ultrapassa a marca de 100 milhões de casos por Covid-19
Coronavírus

Mundo ultrapassa a marca de 100 milhões de casos por Covid-19

Pós-Enem: como entrar no ensino superior com a nota da avaliação
Educa Mais Brasil

Pós-Enem: como entrar no ensino superior com a nota da avaliação