Prefeitura de São Paulo pede intervenção no Hospital Sancta Maggiore

Unidade registrou 79 dos 136 óbitos ocorridos em São Paulo até o final da tarde desta terça-feira (31)

Hospital Sancta Maggiore, em São PauloHospital Sancta Maggiore, em São Paulo - Foto: Divulgação

A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) de São Paulo solicitou a intervenção no Hospital Sancta Maggiore por meio de ofício enviado à Secretaria de Estado da Saúde (SES) na última sexta-feira (27). A solicitação ocorreu devido ao elevado número de mortes em decorrência do novo coronavírus registrado nas unidades no hospital e pelos resultados de laudos das inspeções da Vigilância em Saúde do Município, realizados na instituição.

Segundo informações da Secretaria Estadual de Saúde do Estado de São Paulo, o Centro de Vigilância Sanitária (CVS) está em contato com a Prefeitura de São Paulo para obter o relatório referente à situação epidemiológica do Hospital Sancta Maggiore, já que essa análise é de competência do município. “Uma equipe do CVS vistoriou o serviço neste mês e constatou que a unidade estava em conformidade com legislação sanitária”, disse a secretaria por meio de nota.

Leia também:
São Paulo tem uma morte a cada hora por coronavírus
Bolsonaro é alvo do 15º panelaço seguido, em meio a novo pronunciamento na TV


Nesta segunda-feira (31), o ministro da Saúde Henrique Mandetta fez críticas em relação ao Sancta Maggiore ao dizer que o hospital concentra 79 dos 136 óbitos registrados em São Paulo até o momento. Entre as observações, disse que não foram tomadas medidas de barreira necessária para contar a entrada e disseminação do vírus no ambiente.

Ministério Público

O Ministério Público de São Paulo instaurou procedimento de investigação criminal para apuração de eventual prática de delito de não notificação compulsória por Covid-19 no Hospital Sancta Maggiore.

“De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo, a inspeção epidemiológica no referido hospital constatou a existência de casos suspeitos de coronavírus não notificados na unidade, fato que teria impedido a vigilância sanitária de adotar as medidas necessárias”, relata a promotora de Justiça Criminal Celeste Leite dos Santos, gestora do projeto Acolhimento de Vítimas, Análise e Resolução de Conflitos do MPSP.

A investigação envolve a Vigilância Sanitária Estadual e Municipal, as secretarias de Saúde do Estado e da Cidade de São Paulo, Polícia Civil e o Hospital Santa Maggiore. Os familiares das vítimas da Covid-19 no Sancta Maggiore serão intimados a prestarem depoimentos e auxiliarem na investigação.

Outro lado
O advogado que representa a Prevent Senior, responsável pelo Hospital Sancta Maggiore, Nelson Wilians, disse que a instituição repudia a retórica do secretário municipal de Saúde, Edson Aparecido, e acusa a prefeitura de uso de expedientes desonestos, abusivos e inverídicos para ganhar notoriedade e causar pânico.

“Atacar uma instituição que tem cumprido rigorosamente as normas de atendimento prescritas pelo Ministério da Saúde e OMS [Organização Mundial de Saúde] é um golpe baixo que não iremos admitir. São mentirosas as alegações de que há subnotificações, falta de funcionários e problemas na estruturação do hospital da operadora”, disse.

Segundo o advogado, a Prevent Senior acionará a prefeitura judicialmente pelo descumprimento dos princípios constitucionais e administrativos.

Veja também

Hyundai e Petz fazem parceria para incentivar adoção responsável de animais
Folha Pet

Hyundai e Petz fazem parceria para incentivar adoção responsável de animais

MPF alertava sobre risco de incêndio na Cinemateca desde julho de 2020
SÃO PAULO

MPF alertava sobre risco de incêndio na Cinemateca desde julho de 2020