Prefeitura usa drones para incentivar o isolamento social

Em localidades de difícil acesso no Recife, a Prefeitura irá usar drones para enviar mensagens de áudio orientando a população a ficar em casa

DroneDrone - Foto: Toninho Tavares/Agência Brasil

O Recife já figura entre as cidades onde o isolamento social está sendo praticado de forma mais intensa. Na terça-feira (14), a capital pernambucana estava em primeiro lugar, com relação a outras capitais, no ranking de isolamento brasileiro (55,6%). A campanha #fiqueemcasa é reforçada com ações da gestão pública municipal como o envio de carros de som e mensagens via celular para cidadãos de localidades com menor índice de reclusão domiciliar. Mesmo assim, o percentual de isolamento não é ainda o ideal, 70%. Para reforçar a necessidade de respeitar a medida, drones também circularão por bairros de difícil acesso, espalhando mensagens que incentivem o isolamento.

“Cerca de 70% da área do Recife é formada por morros e áreas de difícil acesso e a utilização dos drones amplia nossa capacidade de comunicação com as comunidades”, pontua Tulio Ponzi, secretário Executivo de Inovação Urbana. Por isso, o uso de cinco drones começou a ser feito desde a segunda-feira (13) para circular nas áreas mais movimentadas levando alertas gravados pela equipe responsável pela ação.

Leia também:

Prefeitura do Recife anuncia novo corte de despesas de R$ 50 milhões
Hospital de campanha da Prefeitura de Goiana ficará pronto em maio

“Atualmente os drones percorrem cerca de 15 comunidades diariamente, entre 8h e 17h, e a aceitação é muito boa. Ao mesmo tempo em que causa um certo estranhamento e surpresa junto aos adultos pelo ineditismo, causa felicidade nas crianças”, revela Ponzi.


Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

 

Veja também

América Latina registrará aumento nas exportações em 2021, afirma CepalEconomia Latina

América Latina registrará aumento nas exportações em 2021, afirma Cepal

É 'quase certo' que ômicron não é mais grave que deltaÔmicron

É 'quase certo' que ômicron não é mais grave que delta