Premiê do Paquistão cita Bolsonaro ao criticar medidas de isolamento contra coronavírus

O líder paquistanês é uma das poucas vozes na comunidade internacional alinhadas a Bolsonaro

Imran Khan, premiê do PaquistãoImran Khan, premiê do Paquistão - Foto: Aamir Qureshi/AFP

O primeiro-ministro do Paquistão, Imran Khan, mencionou o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, nesta sexta-feira (3) ao criticar as medidas de isolamento adotadas em vários países para conter o avanço da pandemia do novo coronavírus.

"Veja, assim como disse o presidente Bolsonaro, do Brasil [...] há o corona de um lado e a fome do outro. Como é que você pode dizer a uma pessoa faminta que fique em casa", afirmou Khan em entrevista coletiva.

"É preciso achar um equilíbrio. [...] Você não pode trancafiar 220 milhões de pessoas", acrescentou Khan, referindo-se ao número de habitantes de seu país.Até agora, o Paquistão registra 2,458 casos da Covid-19, e 35 mortes causadas pela doença -apesar das críticas do primeiro-ministro, o país segue adotando a quarentena para desacelerar a expansão do vírus.

Leia também:
Senado aprova projeto que proíbe prisão por atraso de pensão durante coronavírus
Maia diz que Bolsonaro não tem coragem de demitir Mandetta e mudar política contra coronavírus


O líder paquistanês é uma das poucas vozes na comunidade internacional alinhadas a Bolsonaro na crítica às medidas de isolamento recomendadas pela Organização Mundial da Saúde.

No entanto, Khan parece divergir de Bolsonaro na gravidade atribuída à pandemia. "[O vírus] definitivamente representa uma ameaça para nós e precisamos tomar todas as precauções", disse o paquistanês. Já o brasileiro tem comparado a doença a um "resfriadinho".

Aproximadamente metade da população mundial encontra-se sob ordens para ficar em casa, defendidas inclusive por aliados do brasileiro, como o americano Donald Trump, o israelense Binyamin Netanyahu e o indiano Narendra Modi.

Bolsonaro voltou a criticar o fechamento de comércios e escolas nesta sexta-feira, dizendo que as medidas de quarentena adotadas por governadores e prefeitos terão impactos negativos na economia. "Vai quebrar tudo ... Não pode fechar dessa maneira, e atrás disso vem desemprego em massa, miséria, fome, vem violência", afirmou o presidente.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

 

Veja também

Trabalhadores de setores essenciais encaram medo e expectativa de vacina
Coronavírus

Trabalhadores de setores essenciais encaram medo e expectativa de vacina

Mianmar pode ser a próxima Síria, adverte ONU
Mundo

Mianmar pode ser a próxima Síria, adverte ONU