Coronavírus

Prescrição médica de hidroxicloroquina aumenta 863,34% na pandemia de coronavírus

A prescrição médica de cloroquina e hidroxicloroquina disparou neste ano, mesmo sem eficácia científica comprovada, por causa da pandemia do novo coronavírus

A hidroxicloroquina é normalmente usada para tratar doenças como a artriteA hidroxicloroquina é normalmente usada para tratar doenças como a artrite - Foto: Yuri Cortez/AFP

A prescrição médica de cloroquina e hidroxicloroquina disparou neste ano, mesmo sem eficácia científica comprovada, por causa da pandemia do novo coronavírus. O levantamento foi feito pelo CFF (Conselho Federal de Farmácia). Nos primeiros cinco meses de 2020 em comparação com o mesmo período do ano passado, o crescimento foi de 676,89% para a cloroquina e 863,34% para a hidroxicloroquina.

A cloroquina passou de 238 para 1.849 prescrições nos cinco primeiros meses deste ano. Já a hidroxicloroquina saltou de 1.978 para 19.055 em 2020. O levantamento teve como base a plataforma Memed, usada por médicos para fazer prescrição digital ao paciente. No ano passado, o sistema contava com 60 mil médicos cadastrados. Neste ano, a plataforma tem 120 mil profissionais. 

O CFM (Conselho Federal de Medicina) autorizava a prescrição da cloroquina em três situações. Na primeira, o medicamento era recomendado para paciente com sintomas leves, em início de quadro clínico e diagnóstico confirmado. Na segunda, era válido para paciente com sintomas importantes, com ou sem recomendação de internação. E, por fim, para quadros críticos na UTI, em ventilação mecânica.

Assim como a prescrição, a venda disparou nas farmácias do Brasil. Houve aumento de 49% na comercialização da hidroxicloroquina de janeiro a junho deste ano em comparação com o mesmo período do ano passado. Foram 462.722 unidades em 2019 ante 693.206 em 2020.

Por causa da alta das vendas, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) decidiu, em março deste ano, enquadrar a hidroxicloroquina e a cloroquina como medicamentos de controle especial. Outros dois medicamentos passaram a ser de controle especial durante a pandemia: a nitazoxanida e o vermífugo ivermectina.

Houve também crescimento significativo tanto de prescrição quanto de venda dos medicamentos. A prescrição de ivermectina cresceu 1.921,04% nos cinco primeiros meses e a venda aumentou 297,7% no primeiro semestre. Já a nitazoxanida teve aumento na prescrição de 42.256,52% e de 12,6% na venda.

A partir da mudança, a entrega ou venda desses quatro medicamento nas farmácias e drogarias só pode ser feita para pessoas com a receita especial, para que uma via fique retida no estabelecimento e outra com o paciente. Todos os medicamentos têm sido amplamente divulgados para auxiliar no combate ao novo coronavírus, embora ainda não existam estudos conclusivos sobre eficácia.
 


Wellington Barros, consultor do CFF, disse que é preocupante o crescimento das vendas. Segundo ele, tanto prescrições médicas como automedicação acabam ocorrendo de maneira não muito prudente em razão da pressão social.

"O fenômeno do que está acontecendo é chamado de medicalização social; ele se potencializa em momentos de emergência em saúde pública diante das preocupações e ansiedade da população", disse.

Para Barros, o farmacêutico precisa desempenhar um papel de educador, auxiliando o paciente a procurar um médico, alertando sobre os riscos e dosagens dos medicamentos. Já quando há prescrição, o profissional deve garantir a qualidade e a segurança.

Durante a venda da hidroxicloroquina, por exemplo, é importante saber se o paciente está em uso de algum medicamento. Dependendo de qual remédio for, será preciso entrar em contato com o médico ou pedir para que o cliente volte ao consultório. Segundo Barros, a checagem é importante porque o paciente pode, por alguma razão, não ter informado o uso dos medicamentos ao médico.

Indicadas originalmente para malária, artrite e lúpus, a hidroxicloroquina e a cloroquina vêm sendo alvo de forte procura nas farmácias desde que o Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, passou a defender o medicamento para a Covid-19. O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) seguiu a mesma linha e, inclusive, passou a tomar o medicamento assim que foi diagnosticado com o novo coronavírus.

Diversas entidades já se manifestaram contrárias ao uso. Em documento divulgado pela Sociedade Brasileira de Infectologia afirma que "é urgente e necessário que a hidroxicloroquina seja abandonada no tratamento de qualquer fase da Covid-19".

A orientação da entidade ocorreu um dia após dois estudos mostrarem que a cloroquina não tem efeito em pacientes em quadros iniciais do novo coronavírus. Isso já havia sido demonstrado em outras publicações no caso de pacientes graves.
O Hospital Israelita Albert Einstein, no mês de junho, recomendou que os médicos ligados à instituição não prescrevam cloroquina ou hidroxicloroquina a pacientes internados com Covid-19.

Após idas e vindas, a OMS (Organização Mundial da Saúde) anunciou em 17 de junho que decidiu interromper experimentos com hidroxicloroquina para tratamento de Covid-19 no estudo Solidarity, realizado em vários países, com pacientes hospitalizados.

Dias antes do primeiro anúncio da OMS, a FDA (agência americana de regulação de medicamentos) também havia revogado a autorização de uso emergencial do medicamento nos Estados Unidos, sob o argumento de que "não era mais razoável" acreditar que a droga tivesse eficácia contra a Covid-19.

Enquanto entidades recuam das orientações, o Ministério da Saúde tem redobrado a aposta no medicamento. Recentemente, a pasta decidiu estender a possibilidade de oferta do remédio para gestantes e crianças.

Veja também

Brasil supera 4,5 milhões de infectados pelo novo coronavírus
Coronavírus

Brasil supera 4,5 milhões de infectados pelo novo coronavírus

Autoridades dos EUA interceptam envelope evenenado endereçado à Casa Branca
Mundo

Autoridades dos EUA interceptam envelope evenenado endereçado à Casa Branca