Vacinação

Presidente da Anvisa rebate fala de Bolsonaro sobre vacina e Aids

A Anvisa é responsável por aprovar o uso das vacinas e de qualquer medicamento no Brasil

Presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antônio Barra TorresPresidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antônio Barra Torres - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Nesta quarta-feira (27), o presidente da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), Antonio Barra Torres, rebateu a associação que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) fez com vacinas contra a Covid-19 e a Aids.

"As vacinas aprovadas pela Anvisa não induzem a nenhuma doença. Não aumentam a sua propensão a ter nenhuma doença", disse Antônio Barra Torres durante reunião da diretoria colegiada da agência.

Bolsonaro tem sido criticado pela oposição e por especialistas de saúde. Médicos afirmam que a associação entre o imunizante contra o coronavírus e a transmissão do HIV, o vírus da Aids, é falsa, inexistente e absurda.

A Anvisa é responsável por aprovar o uso das vacinas e de qualquer medicamento no Brasil. Para dar este aval, a agência faz uma análise de segurança, eficácia e qualidade com base em estudos clínicos, dados de fabricação, entre outras informações.


Na quinta-feira (21), Bolsonaro citou "relatórios oficiais do governo do Reino Unido" segundo os quais pessoas totalmente vacinadas estariam "desenvolvendo a Síndrome da Imunodeficiência Adquirira [Aids] mais rápido do que o previsto".

No vídeo -derrubado pelas redes sociais e também pelo YouTube, na segunda- Bolsonaro afirma que só daria a notícia e que não a comentaria. "Portanto, leiam a matéria, não vou ler aqui porque posso ter problema com a minha live. Não quero que caia a live aqui, quero dar informação", disse.

Barra Torres não citou a fala de Bolsonaro ou o nome do mandatário. A declaração do presidente da Anvisa, porém, foi uma resposta a falsa associação feita por Bolsonaro.

"Vamos manter a tradição do nosso povo brasileiro de aderir ao PNI (Programa Nacional de Imunizações), que é um motivo de orgulho do nosso país", disse o chefe da Anvisa.

Depois das redes sociais retirarem o vídeo, Bolsonaro ainda distorceu uma reportagem da revista Exame e culpou a imprensa pela divulgação da fake news. O presidente afirmou que se baseou em informação da revista, mas ele não havia citado o nome da publicação durante a live. O conteúdo da revista tampouco cita qualquer documento oficial do governo britânico.

Barra Torres chegou a ser um conselheiro de Bolsonaro sobre temas de saúde no começo da pandemia, mas se afastou do mandatário. Em março de 2020, o diretor da agência esteve ao lado do presidente, sem máscara, em ato pró-governo. Ele já afirmou que se arrependeu de desrespeitar as regras sanitárias para acompanhar Bolsonaro.

O chefe da Anvisa disse, na reunião desta quarta-feira (27), que a vacina é a principal responsável pela queda de internações e mortes pela Covid.

"Não há de se falar que seja a imunidade de rebanho ou qualquer outra coisa. Isso não tem nenhum sentido. A causa e o efeito (da redução da crise sanitária) estão diante dos nossos olhos, os índices da pandemia caem pois a nossa vacinação avança", disse Barra Torres.

O diretor da Anvisa afirmou também que o Brasil enfrenta diversas crises, além da sanitária, e que a população ainda é influenciada "por uma série de informações que conflitam, muitas vezes, com a ciência".

"Fica difícil dizer qual desafio mais falta a ser superado. Parece que todos os possíveis estão colocados na nossa estrada", afirmou.

Responsável pela área de registro de medicamentos na Anvisa, a diretora Meiruze Freitas também defendeu a imunização. Ela disse que a avaliação da agência sobre as vacinas é séria e baseada em dados científicos. Citou ainda que a própria mãe, de 89 anos, está se recuperando de um quadro leve da Covid "graças à vacina".

Já o diretor Alex Campos disse que os estudos ainda não autorizam "decretarmos por antecipação o fim da pandemia e dos protocolos". "O que temos assistido é uma associação da retomada (das atividades) ao fim dos protocolos", afirmou ele.

A pedido de Bolsonaro, o Ministério da Saúde prepara documento com orientações para desobrigar o uso de máscaras. Alguns estados já avançaram neste debate. A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro aprovou uma lei que permite que o estado e os municípios fluminenses flexibilizem o uso da proteção em locais abertos.

Já governo do Distrito Federal determinou o fim do uso obrigatório das máscaras em locais abertos a partir de 3 de novembro.
Campos ainda afirmou que já preparou minuta de resolução para definir protocolos para a volta das viagens de cruzeiros. O governo autorizou a retomada das navegações a partir de 1º de novembro.

Havia expectativa de o texto ser votado pela diretoria colegiada da Anvisa nesta quarta-feira (27), mas os diretores vão aguardar o Ministério da Saúde publicar portaria com algumas diretrizes para as mesmas atividades.

Veja também

Comitê recomenda que réveillon no Rio de Janeiro seja mantidoPandemia

Comitê recomenda que réveillon no Rio de Janeiro seja mantido

A cada dois minutos uma criança é infectada com HIV no mundo, diz UnicefSaúde global

A cada dois minutos uma criança é infectada com HIV no mundo, diz Unicef