Presidente da Cedae é demitido em meio à crise da água

Governador Wilson Witzel anunciou a demissão de Hélio Cabral nesta segunda-feira

Cedae, no Rio de JaneiroCedae, no Rio de Janeiro - Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

O presidente da Cedae, companhia estatal responsável pelo tratamento e distribuição na região metropolitana do Rio de Janeiro, Hélio Cabral, foi demitido nesta segunda-feira (10), em meio à crise da água pela qual passa o estado fluminense.

A demissão foi anunciada pelo governador do Rio, Wilson Witzel. O substituto de Cabral, já escolhido pelo governador, será Renato Espírito Santo, um funcionário de carreira da Cedae. As informações são da Agência Brasil.

Leia também:
"Acredito em sabotagem", diz Witzel sobre água contaminada
Witzel elogia polícia do Rio e celebra operação com morte de miliciano

Em nota, o governo do estado informou que, como representante do acionista controlador da Cedae, Witzel determinou a imediata demissão de Cabral. "O governador também convocou, em caráter extraordinário, reunião do Conselho de Administração da Cedae para esta terça-feira (11) para tratar exclusivamente da substituição do ocupante do cargo de diretor-presidente da companhia" , diz o comunicado.

Desde o início de janeiro, moradores vêm relatando que o líquido está com gosto e cheiro de terra e, em alguns casos, aspecto barrento. A causa é uma substância orgânica chamada geosmina, produzida quando há muita alga e bactéria na água, que até agora não deu indícios concretos de malefícios à saúde.

No último dia 3, a Cedae identificou um grande volume de detergentes na água captada pela sua principal estação, a Guandu, e decidiu fechar as comportas, paralisando a operação por 15 horas.

A medida causou o desabastecimento de vários pontos e levou a Prefeitura do Rio (e a de Nova Iguaçu) a adiar em um dia o início do ano letivo na rede municipal, porque "muitas" das mais de 1.500 escolas estão sem água. Os alunos, que voltariam a estudar na última quarta (5) retornaram no dia seguinte.

O problema também fez com que a agência que regula o saneamento no estado (Agenersa) definisse prioridades no abastecimento: primeiro devem ser atendidas unidades de saúde e assistência a idosos, escolas, creches, presídios e "demais áreas sensíveis".

Entre as exigências à Cedae estão ainda o uso de carros-pipa, caso seja necessário, o envio de relatórios diários sobre o abastecimento e a realização de manobras na rede para reorganizar o atendimento à população. Não há, porém, um prazo definido para isso.

Para especialistas, a crise reflete uma mistura de estresse no sistema que abastece a região metropolitana do Rio com erros operacionais e falta de fiscalização.

Veja também

Em gesto de boicote, senadores abandonam depoimento de defensores de tratamento ineficaz
CPI da Covid

Em gesto de boicote, senadores abandonam depoimento de defensores de tratamento ineficaz

Bolsonaro volta a atacar lockdown de Araraquara e prefeito diz que presidente fala inverdades
Política

Bolsonaro volta a atacar lockdown de Araraquara e prefeito diz que presidente fala inverdades