Presidente do Atlético-MG quer linha de crédito do governo para os clubes

O cartola atleticano falou ainda sobre a possível criação de uma associação de clubes de futebol

Sette Câmara, presidente do Atlético MineiroSette Câmara, presidente do Atlético Mineiro - Foto: Bruno Cantini / Atletico

Sérgio Sette Câmara, presidente do Atlético-MG, quer que o governo federal conceda linha de crédito aos clubes brasileiros em meio à pandemia do novo coronavírus. Ele fez um alerta e apontou a possibilidade de os times do país quebrarem por causa da recessão econômica.

"O futebol brasileiro está caminhando a passos largos para quebrar. Acreditem se quiser, mas não há perspectiva de volta, não temos receita nenhuma. Esse fato de que tem um atraso ou outro em um clube é irrelevante, porque você vai ter clubes com cinco, seis folhas em atraso. Ilude quem acha que a volta do futebol vai trazer receita. Nós não vamos ter bilheteria, vamos ter despesas, vamos ter que pagar viagem, alimentação, hotel. A ficha não caiu para muitas pessoas, inclusive da imprensa", disse ao Globoesporte.com.

"Eu venho falando isso há algum tempo, mas é bom colocar as barbas de molho. Quando voltar, sabem que o que vier de receita não é suficiente para pagar as receitas dos clubes", acrescentou.

Leia também:

Libertadores pode recomeçar com protocolo inspirado no futebol Alemão

Pernambuco pode ir para fim da fila na volta ao futebol 

O cartola atleticano falou ainda sobre a possível criação de uma associação de clubes de futebol com o intuito de defender os clubes na obtenção de receitas com o governo federal.

"Temos que criar uma Associação dos clubes de futebol para que a gente tenha gente competente para buscar soluções para o nosso futebol. O futebol brasileiro, hoje, é responsável por 2% mais ou menos do PIB. Ele dá milhares, talvez milhões de empregos diretos e indiretos. São jogadores, treinadores, imprensas, pessoas que trabalham nas categorias de base, clubes de lazer, torcedores. É um mundo. Como a gente não vai tratar o futebol? O futebol é tratado como se fosse a coisa menos importante do mundo", comentou.

"O futebol gera receita, impostos, milhares e milhões de postos de trabalho. Ele tem a parte de categoria de base, que dá a possibilidade de milhares de crianças praticarem esporte ao invés de irem por um caminho totalmente fora do que se deve seguir. Cadê os nossos políticos para defenderem o futebol? Tem um projeto de lei de que parece que está andando. Futebol vai precisar de linha de crédito, igual os artistas tiveram aí R$ 3 bilhões. Não adianta tapar o sol com a peneira. Eu podia ficar aqui falando, mas é gravíssimo. Podem nos ajudar, porque todo mundo tem que dar as mãos. É dirigente, jogadores, que ficam achando que vai achar advogado para sair do clube. Ele vai jogar onde? Ele vai para onde?", concluiu. 

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Estudo genético identifica predominância da variante gama no Agreste de Pernambuco
Coronavírus

Estudo genético identifica predominância da variante gama no Agreste de Pernambuco

Pesquisa mostra desigualdade no acesso a internet entre alunos
Educação

Pesquisa mostra desigualdade no acesso a internet entre alunos