Direitos Humanos

Presidente do México classifica como 'calúnia' relatório dos EUA sobre direitos humanos

Documento aponta práticas de detenções arbitrárias, desaparecimentos forçados, violência contra a imprensa e corrupção governamental

Andrés Manuel López ObradorAndrés Manuel López Obrador - Foto: Mexican Presidency/AFP

O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, qualificou nesta quarta-feira (22) de "calúnia" um relatório dos Estados Unidos sobre direitos humanos que aponta práticas de detenções arbitrárias, desaparecimentos forçados, violência contra a imprensa e corrupção governamental no país norte-americano.

"Eles usam calúnias no 'departamentinho' do Departamento de Estado. Eles podem me responder o que quiserem, mas não têm provas, são caluniadores, mentirosos", disse o presidente em sua entrevista coletiva diária.

López Obrador assegurou que "no México não há massacres" e que o país "deixou de ser o principal violador dos direitos humanos".

"A única coisa que eles fazem é se exibir, fazer o ridículo, se não fosse um assunto tão importante causaria risadas", acrescentou.

O presidente disse que seu governo manterá as boas relações com Washington, mas não permitirá que o México ou o governo sejam ofendidos.

"Como assim nós torturamos? Vejamos as evidências", disse ele.

Na terça-feira, o presidente já havia classificado o relatório de "politicagem".

Veja também

Quatro navios dos EUA encalham perto de cais temporário em Gaza
Gaza

Quatro navios dos EUA encalham perto de cais temporário em Gaza

Governo do Rio Grande do Sul sanciona lei que institui plano de reconstrução do estado
Rio Grande do Sul

Governo do Rio Grande do Sul sanciona lei que institui plano de reconstrução do estado

Newsletter