Presidente interino, Alcolumbre visita praias atingidas por óleo

Alcolumbre irá a Alagoas e Sergipe com o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles

Davi Alcolumbr, presidente do SenadoDavi Alcolumbr, presidente do Senado - Foto: Isac Nóbrega/PR

Presidente interino, o senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) visitará nesta quinta-feira (24) praias atingidas pelas manchas de óleo no Nordeste. Alcolumbre irá a Alagoas e Sergipe com o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e senadores das bancadas dos dois estados.

Foram avistados vestígios de óleo em ao menos 13 municípios alagoanos e 9 sergipanos, de acordo com levantamento da Folha de S.Paulo com dados do Ibama e do ministério. O presidente interino visitará pela manhã o município de Barra de São Miguel (AL) e, à tarde, a praia de Aruana, em Aracaju.

Leia também:
Amostras de água das praias atingidas por óleo serão analisadas
Ministro do Meio Ambiente visita praias do litoral pernambucano
Pescadores de praias com óleo ocupam sede do Ibama na Bahia

Nesta quarta à noite, Alcolumbre anunciou a viagem em suas redes sociais, enfatizando sua posição. "Como presidente da República em exercício, embarcarei, na quinta-feira (24), à região Nordeste, para acompanhar a situação das praias atingidas pelo vazamento de petróleo, que já atingiu mais 200 localidades. É considerado um dos maiores desastres ambientais da história do país", afirmou.

Em breve período à frente da Presidência da República, durante quinta e sexta (25), Alcolumbre tenta capitalizar politicamente com a ausência do resto da linha sucessória presidencial: até o momento, nem o presidente Jair Bolsonaro nem seu vice, Hamilton Mourão, foram às praias atingidas pelo óleo. O senador será, portanto, o primeiro ocupante do posto de presidente, ainda que transitoriamente, a visitar a região afetada.

Além disso, o primeiro escalão do governo tem se envolvido em polêmicas com a oposição e ONGs sobre o combate às manchas. Salles, por exemplo, usou um vídeo editado para atacar o Greenpeace sobre suposta ausência de voluntários da ONG no Nordeste.

Bolsonaro também usou as redes sociais, no dia 12 de outubro, para questionar o suposto silêncio de ONGs sobre o assunto. "Estranhamos o silêncio da ONU e ONGs, sempre tão vigilantes com o meio ambiente", escreveu. Na mesma rede social, porém, diversas entidades, como a WWF-Brasil e o próprio Greenpeace vinham cobrando atuação do governo federal.

Também irá na comitiva o presidente da Comissão de Meio Ambiente do Senado, Fabiano Contarato (Rede-ES). Ele criticou a ausência de Bolsonaro no local das manchas. "Está ocorrendo um desmonte da área ambiental neste governo, e a ausência do chefe do Executivo é simbólica do que está acontecendo. É lamentável", disse. Pode haver saia-justa na comitiva: Contarato foi um dos que assinou o pedido de impeachment do ministro Ricardo Salles feito ao STF (Supremo Tribunal Federal) em agosto.

Apesar de avaliar que a visita de Alcolumbre é um gesto positivo, até mesmo politicamente para o presidente do Senado, o presidente da comissão de Meio Ambiente também criticou a Mesa Diretora da Casa. Segundo ele, há requerimento de informação para Salles parado para avaliação da cúpula do Senado, e a pauta ambiental segue travada na Casa.

O senador é um dos que levou ao Planalto lista com oito recomendações que para o Executivo sobre como atuar no caso do óleo, sugerindo a decretação de estado de emergência ambiental na região.

Então à frente do Executivo, Mourão afirmou nesta terça-feira (22) que o governo analisaria a proposta. Caso seja decretada emergência, os senadores ambientalistas defendem que isso agilizaria o combate às manchas por possibilitar medidas como a dispensa de licitação.

Veja também

Depois de 652 dias, Bélgica consegue formar um governo
internacional

Depois de 652 dias, Bélgica consegue formar um governo

Em um ano, pobreza na Argentina sobe e passa a atingir 18,5 milhões de pessoas
internacional

Em um ano, pobreza na Argentina sobe e passa a atingir 18,5 milhões de pessoas