Presídios pequenos são a vacina contra rebeliões

O pernambucano Ângelo Roncalle comandou a política penitenciária do ES nos governos Hartung e Casagrande

Inaldo SampaioInaldo Sampaio - Foto: Colunista

Em que pese o “motim” realizado pela PM do Espírito Santo, o que levou os bandidos a praticarem 137 assassinatos em menos de uma semana, a capital, Vitória, continua sendo referência no país em modelo de política penitenciária. Lá não se verifica há mais de dois anos nem fuga de presos nem rebeliões em presídios e o grande responsável por essa política foi o pernambucano Ângelo Roncalle, que foi secretário de Justiça nos governos Paulo Hartung e Renato Casagrande e só não continuou no cargo porque não quis. Ele esteve recentemente no Recife e explicou ao secretário Pedro Eurico o sucesso de sua política: presídios pequenos, com capacidade para abrigar no máximo 500 presos, o que facilita o controle da população carcerária e permite que ela trabalhe para ajudar o Estado a custear suas despesas (R$ 2 mil per capita). Presídios para abrigar milhares de pessoas tal qual se planejou para Itaquitinga, disse ele, vira inevitavelmente um barril de pólvora, por isso foram feitos 36 de pequeno porte no Espírito Santo.

Reintegração de concursados
O juiz da comarca de Buíque, João Eduardo Vieira Bernardo, determinou ao prefeito Arquimedes Valença (PMDB) a reintegração dos servidores admitidos por concurso na gestão do ex-prefeito Jonas Camelo (PSD). O magistrado deixa claro em seu despacho que a prerrogativa de nomear e demitir servidor é do prefeito. Mas, no caso dos concursados, teria que haver, pelo menos, inquérito administrativo.

Curta > Está marcado para 27/3 às 19h30, no Cinema São Luiz, no Recife, a exibição do curta metragem sobre o procurador da República Pedro Jorge de Melo e Silva, assassinado há 35 anos quando investigava o “Escândalo da Mandioca” na agência do Bando do Brasil da cidade de Floresta.

Pedido > Em sua primeira audiência com o governador Paulo Câmara após a posse na Alepe, a deputada Roberta Arraes (foto) pediu um IML e um centro de hemodiálise para a região do Araripe.

Líder > Novo líder da oposição na Câmara Municipal de Caruaru, o vereador Alberes Lopes (PRP) marcou para amanhã sua 1º coletiva de imprensa. Ele já foi presidente da Câmara de Ibirajuba.

Ausência > Paulo Câmara aproveitou a viagem que fez a Jupi, 6ª passada, para anunciar uma adutora para Canhotinho, mas nem convidou o prefeito Felipe Porto nem o deputado Álvaro Porto, ambos do PSD.

Time > Embora tenha perdido a eleição em sua terra, Belmonte, o deputado Rogério Leão (PR) mantém um quarteto de prefeitos absolutamente fieis à sua liderança: Vaninho de Danda (Santa Terezinha), Dr. Manoel (Carnaubeira da Penha), Guéber (Orocó) e Juninho Amorim (São Benedito do Sul).

Equilíbrio > Fato positivo para a política pernambucana é que a bancada da Oposição na Assembleia Legislativa está encarando com responsabilidade o confronto entre o Governo do Estado e a PM por reajuste de soldo. O discurso demagógico e do “quanto pior, melhor”, desta vez não existiu.

Estilo > Cumprindo promessa de campanha, o novo prefeito de Olinda, professor Lupércio (SD), reservou as quartas-feiras para atendimento ao público. Mas há gente na própria equipe incomodada com essa prática alegando que num município pequeno é possível receber quem procura o prefeito, mas em Olinda, não. Aliás, o estilo, digamos, “centralizador” do novo prefeito, já ocasionou até agora duas baixas no 1º escalão. E outras poderão vir.

Veja também

Jairinho foi a festa de irmã após morte de Henry e 'clima era pesado', diz ex
Caso Henry Borel

Jairinho foi a festa de irmã após morte de Henry e 'clima era pesado', diz ex

Covid-19: Brasil tem 13,4 milhões de casos acumulados e 353,1 mil mortes
Pandemia

Covid-19: Brasil tem 13,4 milhões de casos acumulados e 353,1 mil mortes