Preso no Recife membro da facção Okaida, ligada ao PCC

O traficante participava da facção Okaida e com ele foram encontrados 14 pedras de crack, oito papelotes de maconha, um revólver calibre 32, além de celulares roubados

Integrante de uma facção ligada ao PCC é preso no bairro de Afogados Integrante de uma facção ligada ao PCC é preso no bairro de Afogados  - Foto: Divulgação/Polícia Civil

Traficante suspeito de participar da facção Okaida, oriunda da Paraíba e ligada ao Primeiro Comando da Capital (PCC), foi preso nessa terça-feira (2) no bairro de Afogados, na Zona Oeste do Recife.

Segundo o titular da Delegacia de Afogados, Igor Leite, Luís Leandro Antônio da Silva, 25, foi preso em casa e, com ele, foram encontrados 14 pedras de crack, oito papelotes de maconha, um revólver calibre 32, além de celulares roubados. “Ele montou uma boca de fumo na própria residência, onde também ocultava armas de fogo para a prática de vários assaltos em Afogados e adjacências", afirmou o delegado. Segundo Igor Leite, o principal alvo do suspeito eram mulheres, de quem roubava o celular.

Leia também:
Desarticulada facção Trem Bala, que traficava no Agreste e RMR
Preso no Recife, Boneco Assassino é acusado de duplo homicídio e tráfico de drogas


O delegado contou que no celular do suspeito foram encontradas fotos com armas e drogas em grandes quantidades. “As imagens o mostram ostentando valores em dinheiro decorrentes do tráfico de drogas. Em uma delas, fica bem característica a prática dos assaltos quando ele expõe ao comprador cerca de 20 aparelhos celulares que ele teria obtido em um só dia de roubos no Recife”.

Ainda de acordo com o delegado, outro integrante da mesma facção já foi preso no bairro de Afogados. “A Okaida é uma facção extremamente perigosa", disse Igor Leite, informando que o grupo divide o sistema prisional e as áreas com a facção rival Estados Unidos. "A Okaida tem conexão com o PCC e é um grupo em que temos todo um empenho para que não se instale no Recife”, afirmou.

Luís Leandro foi autuado por tráfico de drogas, posse ilegal de armas de fogo e pelos celulares roubados, mas também pode responder pela prática de assaltos caso seja reconhecido pelas vítimas.

Veja também

Auxiliares de limpeza contam sua rotina em hospital durante pandemia
Coronavírus

Auxiliares de limpeza contam sua rotina em hospital durante pandemia

Beirute fica em luto após explosões que deixaram mais de 100 mortos
LÍBANO

Beirute fica em luto após explosões que deixaram mais de 100 mortos