Presos são transferidos após incêndio em presídio no Rio de Janeiro

Cinco detentos precisaram de atendimento médico

Cadeia Pública José Frederico MarquesCadeia Pública José Frederico Marques - Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) do Rio de Janeiro já iniciou a transferência de presos que cumpriam prisão preventiva ou aguardavam audiência de custódia na Cadeia Pública José Frederico Marques, onde ocorreu um incêndio na manhã desta quarta-feira (29).

O presídio tem capacidade para 624 pessoas e estava com 502 no momento do incêndio, que atingiu celas de uma galeria que estava sem presos. Cinco detentos precisaram de atendimento médico por terem inalado fumaça e quatro servidores do presídio foram internados no Hospital Municipal Souza Aguiar pelo mesmo motivo.

Um grupo de 128 presos que estava detido preventivamente pelo não pagamento de pensão alimentícia foi transferido para a Casa do Albergado Crispim Ventino, que também é localizada em Benfica.

Leia também:
Antigo presídio da Lava Jato no Rio pega fogo
Visitas são suspensas após briga em presídio do Curado


Outros 147 detentos que passaram por audiência de custódia e tiveram a prisão mantida serão transferidos para unidades prisionais indicadas para seus perfis.

Os demais, segundo a secretaria, serão encaminhados para o quarto andar do Instituto Penal Oscar Stevenson, também em Benfica. Nesse instituto haverá um andar destinado a presos que deram entrada no sistema para aguardar audiências de custódia.

As transferências foram providenciadas até que haja uma avaliação da Defesa Civil e do setor de Engenharia da Seap sobre os danos à estrutura do prédio. Segundo a secretaria, o presídio Frederico Marques continuará a receber audiências de custódia.

Veja também

Amazonas receberá cota extra de vacinas para frear pandemia
Coronavírus

Amazonas receberá cota extra de vacinas para frear pandemia

Avião com doses da vacina de Oxford, produzida na Índia, chega ao Rio
Coronavírus

Avião com doses da vacina de Oxford, produzida na Índia, chega ao Rio