Previdência: Jereissati entrega relatório da reforma na próxima semana

Senador reafirmou que não vai mexer no texto-base, que veio da Câmara

Relator da reforma da Previdência no Senado, senador Tasso JereissatiRelator da reforma da Previdência no Senado, senador Tasso Jereissati - Foto: Valter Campanato/Agência Brasi

O relator da reforma da Previdência no Senado, Tasso Jereissati (PSDB-CE), apresentará seu relatório na próxima semana. Jereissati acompanhou as audiências públicas de hoje, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e afirmou que as discussões se estenderam, o que motivou a decisão de passar o fim de semana trabalhando no relatório.

A presidente da CCJ, Simone Tebet (MDB-MS), havia afirmado que o relatório seria entregue amanhã (23), conforme acordado com o próprio relator. As apresentações e debates na comissão, no entanto, o motivaram a mudar de planos. “Essas audiências públicas se estenderam e eu vou pegar o fim de semana todo para trabalhar e na segunda-feira para ouvir alguns senadores”, disse ele.

Jereissati reafirmou que não vai mexer no texto-base, que veio da Câmara. Qualquer alteração provocaria o retorno para a Câmara, onde deveria haver nova votação. Segundo ele, as mudanças serão apresentadas por meio de destaques em plenário, quando um parlamentar propõe a retirada de um trecho específico do texto, ou através de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) à parte.

Leia também:
Folha esclarece dúvidas sobre a Previdência
Ex-ministro defende reforma da Previdência “em construção há 25 anos”
Após pressão da oposição, calendário da Previdência no Senado é adiado em uma semana

O que já é certo é a apresentação de uma proposta de incluir estados e municípios na reforma, o que deverá acontecer via PEC. O senador indicou que poderá sugerir regras específicas para determinadas categorias mais vulneráveis. “Tem várias categorias reivindicando e essa coisa não é simples. Que entra em risco, tem periculosidade, por isso a gente precisa fazer isso com muito cuidado”.

O senador, inclusive, se mostrou muito sensibilizado com a situação de trabalhadores de mineração de subsolos, exposta em um vídeo exibido na audiência pública da manhã de hoje. Ele admitiu que não conhecia aquela realidade, que considerou penosa. O vídeo mostrou as condições de perigo a que esses profissionais são expostos diariamente e alertou sobre o curto período de vida útil daqueles envolvidos com mineração de subsolos.

Com a alteração na entrega do relatório, o prazo para conclusão da votação na CCJ deverá aumentar, nas expectativas de Jereissati, em quatro ou cinco dias. Depois de lido o relatório, será dado um prazo de uma semana aos senadores, a título de vista coletiva, antes de votá-lo. Depois da votação na CCJ, a proposta ainda precisa passar por dois turnos de votação no plenário do Senado. Em cada um deles, são necessários, pelo menos, 49 votos para que o texto avance.

Veja também

Mais de um milhão de mortes por Covid-19 registradas no mundo, aponta agência
Covid-19

Chega a mais de 1 milhão o número de pessoas mortas por Covid-19, diz agência

Covid-19: Brasil confirma 14.318 casos e 335 mortes nas últimas 24 horas
CORONAVÍRUS

Brasil confirma 14.318 casos e 335 mortes em 24 horas