Previdência: um debate urgente e temido

A situação deficitária da previdência estadual deixa uma conta bastante amarga para o próximo governador

AposentadoriaAposentadoria - Foto: Pixabay

Um dos assuntos mais espinhosos na eleição deste ano tem nome: previdência. Se a preocupante situação dos fundos previdenciários do País torna este debate urgente, o mesmo não pode se dizer sobre a disposição dos candidatos em tratar um tema tão polêmico. Entre os postulantes ao Governo do Estado, o assunto não consta, por enquanto, em nenhum programa de governo. O que não quer dizer que o problema deve ser esquecido.

Cabe aos estados legislar e administrar os fundos de previdência dos seus servidores. Em Pernambuco, o déficit anual previdenciário é de R$ 2,49 bilhões, segundo a avaliação atuarial do Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco (TCE-PE) realizada em dezembro de 2017. E o que o eleitor comum, que não é servidor, tem a ver com isso? O fato é que a conta não fecha. O pagamento dos proventos de aposentados, pensões e beneficiários da Fundação de Aposentadoria e Pensões dos Servidores do Estado de Pernambuco (Funape) é de R$ 5,38 bilhões e a arrecadação é apenas R$ 2,89 bilhões. E quem fica responsável por pagar o rombo de R$ 2,49 bilhões é, justamente, o cofre estadual. Ou seja, o contribuinte pernambucano. Para ter uma noção, o valor é maior que o número de investimentos feitos pelo Estado em 2017 - cerca de R$ 1,5 bilhão.

O pior é que não há perspectiva de equilíbrio. Nos últimos três exercícios (2014 a 2017), houve aumento dos gastos previdenciários em proporção maior do que o crescimento da receita corrente líquida. "Se não forem tomadas medidas administrativas, esse déficit vai aumentar ano a ano", afirma o procurador do Ministério Público de Contas (MPCO), Cristiano Pimentel.

A falta da implementação de um regime de capitalização dos novos servidores contribui para o desequilíbrio das contas. Hoje, Pernambuco adota o regime de repartição simples, sem separação entre o fundo que atende ativos e inativos. Os servidores que contribuem para o sistema e os que não mais contribuem vão para o mesmo caixa e o rombo nas contas aumenta a cada ano. "Tudo que o Estado recolhe é gasto para pagar inativos e o tesouro estadual ainda tem que cobrir a diferença", avalia Pimentel.

O advogado previdenciário Almir Reis avalia que é preciso regras mais rígidas para a concessão do benefício. "É preciso apertar as regras de acesso de modo a forçar o servidor a ficar mais tempo no serviço público se não for assim a conta não fecha", afirmou. Para isso, ele propõe uma regra de transição justa para quem está perto de se aposentar não ser penalizado.

O cientista político Elton Gomes avalia que os candidatos evitam o tema em campanha porque ele tira votos e afeta os interesses de uma categoria forte - o funcionalismo público. "Essa fuga não acontece só no Brasil. Uma reforma previdenciária significa ações anti-populares. Tanto que essa questão só é discutida para valer fora das eleições para não afetar projetos políticos. Quando mexe com os funcionários públicos é ainda pior porque eles são muito organizados e exercem grande pressão na classe política."

Previdência


O que eles propõem >

Paulo Câmara

“A questão do déficit da Previdência é um tema urgente para a sobrevivência do Estado brasileiro. Pernambuco já realizou importantes ações para enfrentar esse desafio. A primeira foi a elevação da alíquota para 13,5%, efetivada ainda no Governo Jarbas. Para os próximos quatro anos, Paulo Câmara vai implantar o FUNAPREV e, consequentemente, o regime de previdência complementar para garantir a aposentadoria dos novos servidores e ajudar a equilibrar o sistema vigente”

Armando Monteiro

“O primeiro compromisso que nós assumimos é com a garantia dos pagamentos para todos os aposentados e pensionistas do Estado de Pernambuco. É fundamental promover uma análise detalhada do desequilíbrio das finanças estaduais para que se possa estabelecer um conjunto de soluções a serem adotadas nos próximos anos, que garantam a sustentabilidade da Previdência no futuro”

Maurício Rands

“A questão das previdências estaduais é de primeira ordem. Acreditamos que é preciso ter coragem para enfrentar o problema de frente. Levantar os números com clareza. Sentar à mesa com os servidores e com a sociedade. Discutir os possíveis caminhos. É importante respeitar direitos adquiridos, mas deve-se pensar no que se quer para a sociedade como um todo”

Júlio Lóssio

"É preciso mais contratações de servidores efetivos para que estes contribuam com o regime previdenciário e lhe confiram segurança. As previdências como um todo passam por um momento crítico, sobretudo, quando começa a ter uma taxa de pagamento semelhante ao que é recolhido. É necessário um cálculo atuarial bem feito para saber o impacto disso a médio e longo prazo e avaliar o valor das contribuições necessárias"

Dani Portela

“Teremos a abertura de novos concursos públicos e o incentivo aos servidores de carreira para a ocupação dos cargos comissionados restantes. Com a ampliação do número de servidores por concurso teremos mais contribuições de longo prazo para a saúde do sistema previdenciário. Vamos também criar o Instituto de Seguridade Social dos Servidores Públicos, unificando saúde, a assistência so­cial e a previdência dos servidores”

Simone Fontana
Ana Patrícia Alves


Não responderam

Veja também

Aos 111 anos, pernambucana tira identidade pela primeira vez
Histórico

Aos 111 anos, pernambucana tira identidade pela primeira vez

Vacinas da Índia devem chegar ao Rio de Janeiro no fim da tarde desta sexta-feira (22)
Coronavírus

Vacinas da Índia devem chegar ao Rio de Janeiro no fim da tarde desta sexta-feira (22)