Peru

Primeira-dama do Peru se apresenta à Procuradoria em caso de corrupção

Presidente peruano é acusado de liderar máfia encarregada de entregar obras públicas a empresas privadas em licitação

Primeira-dama peruana, Lilia Paredes, e o marido, o  presidente Pedro CastilloPrimeira-dama peruana, Lilia Paredes, e o marido, o presidente Pedro Castillo - Foto: Reprodução Instagram

A primeira-dama peruana, Lilia Paredes, se ateve ao direito de permanecer em silêncio ao se apresentar, nesta sexta-feira (13), à Procuradoria, onde foi convocada como testemunha em um caso de suspeita de corrupção que envolve seu marido, o presidente Pedro Castillo.

Paredes foi convocada para depor perante a procuradora Luz Taquire sobre as declarações da empresária e lobista Karelim López, segundo quem Castillo liderava uma máfia encarregada de entregar diretamente obras públicas a empresas privadas em licitação.

A diligência durou cerca de 45 minutos, ao fim da qual Paredes deixou o local sob proteção policial e evitou dar declarações à imprensa.

Durante o interrogatório, ela se ateve ao direito de se manter em silêncio, apelando a seus vínculos diretos com o presidente, reportou o jornal El Comercio em sua edição digital.

A empresária López coopera com a Procuradoria sob o guarda-chuva jurídico de uma "colaboração eficaz" (delação premiada). Se suas delações forem comprovadas, poderia ser condenada a uma pena menor caso seja sancionada pela justiça.

A Procuradoria também investiga a esposa do presidente por suposto crime de plágio em sua dissertação de mestrado.

O caso veio à tona no fim de 2021 e abrange um ex-ministro de Transportes, um ex-secretário-geral da Presidência e dois sobrinhos do presidente. Os três últimos estão foragidos.

O escândalo estourou quando a imprensa revelou gestões de López perante Castillo para que o consórcio conhecido como "Ponte Tarata III" vencer uma licitação pública para construir uma ponte veicular na região de San Martín.

O presidente deverá depor na segunda-feira na Procuradoria na qualidade de testemunha. Castillo negou o delito, enfatizando que tem as mãos limpas.

A legislação peruana impede investigar um presidente no exercício do cargo. Castillo termina seu mandato em julho de 2026.

Veja também

México diz que trabalha 'duro' para impedir que fentanil chegue aos EUA
AMÉRICA DO NORTE

México diz que trabalha 'duro' para impedir que fentanil chegue aos EUA

Brasil apresenta objetivos de desenvolvimento sustentável na ONU
ONU

Brasil apresenta objetivos de desenvolvimento sustentável na ONU

Newsletter