CORRUPÇAÕ

Primeiro-ministro do Japão demitirá quatro ministros após escândalo de corrupção

Promotores estão investigando alegações de que cerca de R$ 17 milhões em subornos foram pagos a membros do partido de Fumio Kishida

Premier japonês, Fumio Kishida demitirá quatro ministros após escândalo Premier japonês, Fumio Kishida demitirá quatro ministros após escândalo  - Foto: Jiji Press / AFP

O primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, anunciará nesta quarta-feira a demissão de quatro ministros devido a um escândalo de financiamento partidário, informou a mídia local. Entre eles estão o braço direito de Kishida, o Chefe de Gabinete Hirokazu Matsuno, bem como o Ministro da Economia, Indústria e Comércio, Yasutoshi Nishimura, segundo a mídia local.

Os outros são o ministro do Interior, Junji Suzuki, e o ministro da Agricultura, Ichiro Miyashita, além de cinco vice-ministros, indicaram vários meios de comunicação citando fontes não identificadas do governo e do partido no poder.

Kishida, de 66 anos, cujos índices de aprovação despencaram desde que chegou ao poder em outubro de 2021, anunciaria a decisão em entrevista coletiva marcada para as 18h15 (06h15 em Brasília). Aqueles que serão removidos pertencem ao maior setor do Partido Liberal Democrático (LDP), que governou o Japão quase continuamente durante décadas.
 

Os promotores estão investigando alegações de que cerca de 500 milhões de ienes (R$ 17 milhões) em subornos foram pagos a membros dessa ala, liderada pelo ex-primeiro-ministro assassinado, Shinzo Abe. Matsuno, o principal porta-voz do governo, recusou-se nesta quarta-feira a dar detalhes, mas disse que Kishida “tomaria medidas para recuperar a confiança do público”.

Questionado sobre as alegações sobre o seu próprio envolvimento, Matsuno disse que tomaria “medidas apropriadas” depois que o seu grupo político investigasse os relatos.

Veja também

De homem ativo a um corpo "em estado caquético": quem era "Tio Paulo", levado para banco
Rio de Janeiro

De homem ativo a um corpo "em estado caquético": quem era "Tio Paulo", levado para banco

Apenas 22% do público-alvo se vacinou contra a gripe
dengue

Apenas 22% do público-alvo se vacinou contra a gripe

Newsletter