Principal método diagnóstico da Covid pode não flagrar o vírus mesmo após sintomas

O dado é uma das conclusões de um estudo americano que acaba de sair na revista especializada Annals of Internal Medicine

Teste rápido de CoronavírusTeste rápido de Coronavírus - Foto: Ricardo ARDUENGO / AFP

É preciso ter cuidado ao interpretar os resultados do principal método de diagnóstico da Covid-19, o RT-PCR, que identifica o material genético do causador da doença. Segundo um novo estudo, o risco de não flagrar a presença do vírus ainda é de 20% mesmo após três dias de sintomas.

O dado é uma das conclusões de um estudo americano que acaba de sair na revista especializada Annals of Internal Medicine.

No trabalho, a equipe liderada por Justin Lessler, professor de epidemiologia da Universidade Johns Hopkins, coletou informações obtidas em sete outros estudos sobre a detecção do vírus Sars-CoV-2, abrangendo 1.330 pacientes com suspeita de carregar o patógeno. Alguns desses pacientes, embora não apresentassem material genético do vírus em seu organismo, tinham sintomas clínicos da doença e, mais tarde, descobriu-se neles a presença de anticorpos contra o patógeno (ou seja, de fato tinham tido Covid-19).

Leia também:
Fabricante abre mão de patente de remédio contra Covid-19, mas exclui Brasil
Pesquisa aponta que casos confirmados são 35% dos sintomamáticos


Para selecionar esses trabalhos, a maioria dos quais já publicados em outros periódicos científicos (embora dois ainda estejam em repositórios públicos na internet, aguardando a publicação oficial), Lessler e seus colegas levaram em conta apenas os que apresentavam de modo claro o período entre a detecção do material genético do vírus e o início dos sintomas em cada paciente – ou então o intervalo entre o diagnóstico e a exposição das pessoas ao Sars-CoV-2 (por meio do contato com outros doentes, por exemplo).

Os pesquisadores da Universidade Johns Hopkins tinham como objetivo avaliar a eficácia do método conhecido como RT-PCR (sigla inglesa de "reação em cadeia de polimerase em tempo real"). Em essência, esse método é capaz de "captar" pequenos fragmentos do genoma do vírus e produzir muitas cópias desses trechos de material genético, facilitando assim a detecção do patógeno.

A RT-PCR é considerada o "padrão-ouro" de diagnóstico da Covid-19 quando a infecção ainda está a pleno vapor no organismo. Isso porque as células demoram mais ou menos uma semana, depois do aparecimento dos sintomas, para produzir um nível apreciável de anticorpos contra o vírus, enquanto o material genético do invasor estaria presente no corpo, em tese, assim que ele passa a se multiplicar. As agências reguladoras dos EUA, por exemplo, estimam que a especificidade (ou seja, a capacidade de identificar corretamente quem tem mesmo o vírus) da RT-PCR seria de 100%.

Na prática, porém, os resultados dos exames analisados pelo grupo mostram outro cenário. O que eles viram é que, com o passar do tempo, a probabilidade de que a RT-PCR detecte o coronavírus no organismo varia muito.

Assumindo um tempo médio de cinco dias entre o começo da infecção e o aparecimento dos sintomas (já que o vírus tem esse período de incubação antes que seus efeitos apareçam), o risco de um falso negativo, ou seja, de que a infecção não seja flagrada, é de quase 40% no primeiro dia dos sintomas, por exemplo. Conforme a doença transcorre, essa probabilidade de falsos negativos sobe para 66% após 15 dias de sintomas, mais ou menos a mesma presente um dia antes de os sintomas começarem.

Ainda não está claro o que explicaria essa variabilidade nos testes –que pode ter a ver com a própria qualidade da RT-PCR, com o tipo de amostra (do nariz ou da garganta, por exemplo) ou com a quantidade de vírus produzidos no organismo dos pacientes, que pode variar bastante de pessoa para pessoa.

De qualquer modo, trata-se de um alerta importante, segundo os pesquisadores. "Se a suspeita clínica for alta, não se deve descartar a infecção com base apenas na RT-PCR, e a situação clínica e epidemiológica deve ser considerada cuidadosamente", escrevem eles.

O trabalho também pode dar pistas sobre o melhor momento para realizar o teste com confiabilidade - aparentemente, o terceiro dia dos sintomas, mesmo com a margem de erro de um quinto dos casos. Além disso, ficar de olho nos contatos de pessoas expostas ao vírus e isolá-las sempre que possível seriam medidas prudentes no contexto da pandemia, independente do resultado pontual dos testes.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Camaragibe abre agendamento para vacinação contra Influenza
Saúde

Camaragibe abre agendamento para vacinação contra Influenza

Índia registra recorde de 200 mil novos casos de Covid-19 em 24 horas
PANDEMIA

Índia registra recorde de 200 mil novos casos de Covid-19 em 24 horas