Notícias

Problemas na visão: histórico familiar é fator de risco

É a necessidade de cada paciente que vai orientar qual a frequência da rotina dos exames para antecipar possíveis doenças e diminuir o risco de danos aos olhos.

O oftalmologista Roberto Galvão Filho diz que histórico familiar é um dos fatores de riscoO oftalmologista Roberto Galvão Filho diz que histórico familiar é um dos fatores de risco - Foto: Léo Malafaia/Folha de Pernambuco

Descobrir doenças potencialmente graves antecipadamente é fundamental para o paciente, já que as chances são grandes de se adquirir menos danos aos olhos. Doenças perigosas, como o glaucoma, – que é a maior causa de cegueira irreversível do mundo, segundo a Sociedade Brasileira de Glaucoma – tem tratamentos que são mais eficientes quando a doença é descoberta o mais cedo possível.

A depender dos fatores de risco relacionados às doenças oftalmológicas, o paciente precisa atentar para a realização dos exames em períodos mais frequentes. “Se alguma doença tem relação direta com a família, vem o mote de examinar as pessoas cada vez mais jovens. No glaucoma, por exemplo, é fundamental ficar atento à escavação do nervo ótico se tiver grande, a pressão intraocular alta, histórico familiar e miopia”, destacou o oftalmologista, Roberto Galvão Filho, chefe da Residência Médica e do Setor de Glaucoma do Instituto de Olhos do Recife (IOR).

Os exames oftalmológicos de rotina são feitos de acordo com a necessidade do paciente, podendo chegar a ser até semanalmente dependendo do caso. “Se tiver histórico familiar de doenças, mas não tem pressão ocular aumentada, pode ser consultado por volta de um ano. A depender dos fatores de risco, diminui para seis meses. Se não tiver problema oftalmológico e usa óculos simples, cerca de um ano também a revisão. Se não tiver nem problema oftalmológico e nem usa óculos, pode ser por volta de dois anos. E se for diagnosticado com glaucoma ou outra doença, pode ser a cada seis meses, ou até mesmo mensal ou semanal, dependendo da gravidade”, explicou Galvão Filho.

Anualmente, a paciente Daniella Rêgo, 45 anos, realiza exames oftalmológicos. Por ter o pai diagnosticado com glaucoma, e apresentar um aumento da escavação do nervo ótico, é importante a paciente manter a rotina médica. “Tenho aumento da escavação, mas sem aumento da pressão intraocular, e meu pai tem glaucoma. Então, é fundamental ficar acompanhando. Há cinco anos também passei a usar óculos para perto. E neste mês, em uma consulta, chegou a necessidade de óculos para longe”, contou.

Veja também

Blinken cita 'divergência real' por fala de Lula sobre Israel, mas destaca aliança
POLÊMICA

Blinken cita 'divergência real' por fala de Lula sobre Israel, mas destaca aliança

Medicamento para a asma pode prevenir riscos de alergias alimentares, diz estudo
PESQUISA

Medicamento para a asma pode prevenir alergias alimentares