Pandemia

Procon-PE impede festa com mais de 400 pessoas em Jaboatão dos Guararapes

A festa era realizada em uma chácara de difícil acesso no bairro de Manassu

Procon-PE impede festa com mais de 400 pessoas em Jaboatão dos GuararapesProcon-PE impede festa com mais de 400 pessoas em Jaboatão dos Guararapes - Foto: Divulgação | Procon-PE

O Procon Pernambuco desarticulou uma festa com show ao vivo para mais de 400 pessoas na noite do sábado (15). O grupo impedido participava de um evento em uma residência em Jaboatão dos Guararapes, na Região Metropolitana do Recife (RMR). Muitos não utilizavam máscara e não praticavam o distanciamento social.

Divulgada nas redes sociais como live, a festa contava com show ao vivo e bebidas alcoólicas. Boa parte do grupo não utilizava máscara e não respeitava o distanciamento social. O evento seria realizado em uma chácara de difícil acesso, no bairro de Manassu. 



A operação contou com a participação da Agência Pernambucana de Vigilância Sanitária (Apevisa), e a Polícia Militar, representada pelo Batalhão de Choque. Com a chegada dos fiscais do órgão muitos se evadiram, mas um grupo ainda foi conduzido para a Delegacia de Prazeres. Todos assinaram um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) e um inquérito foi aberto para investigar os responsáveis.

“A realização de festas com o descumprimento das medidas sanitárias, em um momento delicado como este da pandemia, é uma agressão não só as autoridades, mas a toda a população que acaba sendo amplamente afetada”, pontua o secretário de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico.

Denúncias sobre irregularidades são recebidas pelo Procon por meio do Whatsapp 081 3181.7000, ou pelo Instagram do órgão: @proconpe. 

Veja também

Pernambuco recebe novo lote com vacinas da Pfizer nesta quinta-feira (24)
Vacinas

Pernambuco recebe novo lote com vacinas da Pfizer nesta quinta-feira (24)

Organizadores de atos de junho de 2013 em Porto Alegre são absolvidos por falta de provas
Inocentes

Organizadores de atos de junho de 2013 em Porto Alegre são absolvidos por falta de provas