sala de aula

Professora é intimada por polícia após aluna denunciar 'conteúdo esquerdista'

Abordagem de questões de gênero, racismo e diversidade em aulas de filosofia motivou registro de ocorrência contra educadora do colégio estadual Thales de Azevedo, em Salvador

 Colégio Estadual Thales de Azevedo, em Salvador Colégio Estadual Thales de Azevedo, em Salvador - Foto: Reprodução

Uma professora de filosofia do Colégio Estadual Thales de Azevedo, na capital baiana Salvador, foi intimada pela polícia para prestar esclarecimentos após um aluna registrar ocorrência aegando que ela ensinava "conteúdo esquerdista" em sala de aula. Entre os assuntos abordados, estariam questões de gênero, racismo, assédio, machismo e diversidade.

Segundo a Associação dos Professores Licenciados do Brasil (APLB), a educadora ficou abalada emocionalmente e precisou ser hospitalizada após receber a intimação para comparecer à Delegacia de Repressão a Crimes contra Crianças e Adolescentes.

O sindicato disse que seu departamento jurídico foi acionado por um grupo de professores e observou atitudes "inamistosas e de perseguição" por parte de uma estudante contra uma docente de filosofia do colégio Thales de Azevedo.
 

"A APLB-Sindicato, legítima representante dos trabalhadores e trabalhadoras em Educação vem a público manifestar toda a sua solidariedade e apoio jurídico aos docentes da Escola Estadual Thales de Azevedo por tentativas de intimidação, coação e pressão psicológica por grupos de extrema direita que tentam cercear a livre expressão e tumultuar aulas e algumas atividades propostas pelos professores e professoras", disse o sindicato em nota.

A entidade informou ainda que, em agosto, um grupo de estudantes e seus responsáveis emitiram uma nota atacanado professores e palestrantes após um seminário online realizado pela escola. Em outra ocasião, segundo o sindicato, a mãe da aluna que registrou a ocorrênia invadiu o espaço de uma aula online da disciplina de inglês para exigir explicações sobre a temática, que, para ela, seria inadequada por se tratar de feminismo.

A equipe gestora do colégio repudiou, por meio de nota, a intimação à professora da instituição por "ferir a liberdade de cátedra e autonomia pedagógica, princípios constitucionais fundamentais".

"Infelizmente, as alegações de que os conteúdos curriculares das ciências humanas são de cunho ‘esquerdista’ e os conteúdos de linguagens são de ‘doutrinação feminista’ têm provocado o enviesamento dos conhecimentos historicamente construídos e dos fenômenos sociais, em silenciamento dos docentes", diz a nota

Veja também

Meningite: conheça as causas, os sintomas e as formas de evitar a doença
Prevenção

Meningite: conheça as causas, os sintomas e as formas de evitar a doença

TikTok: app vai ser banido nos EUA? Entenda o que acontece agora com a rede social
Rede Social

TikTok: app vai ser banido nos EUA? Entenda o que acontece agora com a rede social

Newsletter