Professores da UFPE decidem indicativo de greve

Caso indicativo seja aprovado em assembleia nesta quinta, categoria deve marcar novo encontro para debater se haverá paralisação

Abertura da jornada aconteceu no Museu da AboliçãoAbertura da jornada aconteceu no Museu da Abolição - Foto: Daniel Tavares/PCR

Os professores da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) realizam assembleia, na manhã desta quinta-feira (3), para definir se haverá ou não um indicativo de greve da categoria. Caso a maioria dos professores vote pelo indicativo nesta quinta-feira, uma nova assembleia será marcada para ser votada uma possível greve.

Segundo o presidente da Associação dos Docentes da UFPE (Adufepe), Augusto Barreto, a próxima assembleia ainda não tem data marcada. "Após os encaminhamentos de hoje [quinta-feira], vamos nos reunir para tomar o posicionamento de data, horário e local."

Ainda de acordo com Barreto, as principais pautas são debater as ocupações dos estudantes em instituições de ensino e os projetos de lei do Governo Federal que envolvem a área da Educação. "O atual governo encaminhou a PEC 241, agora PEC 55, que tecnicamente reduz o estado brasileiro e retira recursos da saúde e da educação como fonte primária. Hoje, boa parte dos professores são contra esses projetos de lei", adianta.

Em caso de paralisação, a avaliação do presidente da Adufepe é que o prejuízo é "o mínimo possível". Para ele, o ganho obtido com greve supera os prejuízos iminentes da parada das aulas, que seriam recompostas. "Entretanto, pequenos grupos de estudantes têm um prejuízo iminente, com provável ampliação do deadline da colação de grau."

Veja também

A 8 dias da eleição, Senado dos EUA confirma juíza ultraconservadora para a Suprema Corte
internacional

A 8 dias da eleição, Senado dos EUA confirma juíza ultraconservadora para a Suprema Corte

Brasil atinge 5,4 milhões de casos da Covid-19
boletim

Brasil atinge 5,4 milhões de casos da Covid-19