Programa Atitude favorece abstinência de usuários de drogas

Pesquisa sobre a iniciativa revela abstinência e proteção contra ameaças durante o tratamento

Filme "As Aventuras de Robinson Crusoé"Filme "As Aventuras de Robinson Crusoé" - Foto: Divulgação

Miriam vai morrer se voltar ao bairro da Várzea, na Zona Oeste do Recife. A família pagou quatro quintos da dívida de R$ 2,5 mil que ela contraiu com traficantes, mas o risco de ser assassinada não diminui enquanto o valor não for totalmente quitado. Atualmente, aos 34 anos, é beneficiária do Programa Atitude, do Governo do Estado.

Ela reflete números de pesquisa da UFPE sobre participantes do programa, lançada nesta terça-feira (2) na Faculdade de Direito do Recife. Quase 80% vê segurança dos centros contra ameaças de morte. Outro dado é que 38% dos usuários entrevistados atingiram a abstinência. Uma estatística da qual Miriam orgulhosamente participa.

O cigarro foi a primeira droga experimentada, como é para 35% dos pesquisados. Mas a maconha foi mais significativa. O namorado ofereceu enquanto enrolava um baseado na escola, depois da aula. Ele foi morto por traficantes. Ela construiu a ponte para o crack. Com loló, cola, cocaína e mesclado. “Depois veio a perda do amor-próprio e pelos outros”, lembrou.

Sob o comando do vício, roubou e vendeu o corpo, chegando a ser presa por 1 ano e 6 meses. “Mas nada se compara a perder minhas filhas. É por elas que estou lutando para sair daqui e me manter limpa. A de 16 teve depressão. As duas vivem com tios.”

Para a assistente social Geyse Ferreira, estas questões familiares são as mais influentes para a abstinência. “No Programa cuidamos de problemas de saúde e Justiça, mas reatar laços familiares é ainda mais importante. Muitos parentes desistem, não entendem como doença. Mas quando vamos atrás deles, entendem que o usuário está tentando melhorar”, disse.

Foi esse esforço que levou Miriam a ter contato com a família novamente. Também por causa do programa, começa a trabalhar na semana que vem. Vai, com o marido, viver em uma casa de aluguel, monitorada pelo Programa durante seis meses. Depois, devem seguir os próprios passos.

“Com a mesma lógica, família e trabalho precários ou inexistentes são também os problemas que mais fazem o consumo começar”, avaliou Geyse. É o caso da beneficiária Isabela, 31. Aos 14, viveu com o irmão mais novo, de 9. Ela cuidou dos dois depois que a mãe, a avó e o irmão mais velho morreram. O crack foi consequência inevitável. Sem apoio de familiares, vê no filho de um ano a necessidade pungente de parar com o consumo. “Estava gestante de 6 meses quando comecei. Já estava na casa de aluguel, mas usei a droga de novo”, contou. Sem trabalho, acredita que um curso de informática melhoraria as chances. “O trabalho preencheria o vazio que a droga tenta.”

O desemprego em 90% da amostra estudada pelo Núcleo de Estudos e Pesquisas em Criminalidade (Nesp), responsável pela pesquisa, é um dos grandes entraves da recuperação. “É uma política pública que enxerga o usuário de crack como cidadão antes que ele deixe a droga. É inovador a nível internacional. É muito significativo para a segurança pública e em termos sociais”, opinou um dos coordenadores da pesquisa, o psicólogo Rafael West.

Veja também

Programa incentiva reinserção de reeducandas do sistema prisional no mercado de trabalho
Oportunidade

Programa incentiva reinserção de reeducandas do sistema prisional no mercado de trabalho

Uso de fogos no período de campanha eleitoral gera preocupação com os pets; entenda os perigos
Folha Pet

Uso de fogos no período de campanha eleitoral gera preocupação com os pets; entenda os perigos