Promotoria de Goiás diz que já investigava denúncias contra João de Deus

Polícia Civil de Corumbá de Goiás deve assumir as investigações dos relatos e denúncias de abusos sexuais que teriam sido cometidos pelo médium

Promotoria de Goiás revelou que já investigava os casosPromotoria de Goiás revelou que já investigava os casos - Foto: João Sérgio/Assessoria de Comunicação Social

O Ministério Público de Goiás informou neste domingo (9) que já havia investigações abertas ao menos desde junho deste ano para apurar suspeitas de abuso sexual pelo médium João de Deus. Segundo a Promotoria, os novos casos que têm sido relatados à imprensa também serão apurados a partir desta segunda-feira (10).

No sábado (8), 13 mulheres relataram ao jornal O Globo e ao programa Conversa com Bial, da TV Globo, terem sido abusadas sexualmente pelo médium João Teixeira de Faria, 76, conhecido como João de Deus, que mantém a Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia, no interior de Goiás.

Leia também
Denúncias de assédio por João de Deus geram medo em cidade do interior Goiás
Mais de 25 mulheres denunciam abusos sexuais de João de Deus
De Temer a Oprah Winfrey: os famosos que frequentaram casa de João de Deus
Médium João de Deus é acusado de abuso sexual


Uma delas, a holandesa Zahira Lieneke Mous, contou que conheceu o local em 2014, quando buscava a cura para o trauma de ter sofrido abusos sexuais no passado. Após pesquisas, sentiu-se à vontade para ir sozinha até a casa.

Na segunda visita a Abadiânia, foi informada que teria uma consulta particular com o médium em um escritório que fica dentro da casa. Ao chegar no escritório, o médium pediu para que ela ficasse de costas, conduzindo-a para um banheiro. Depois, ele teria colocado as mãos dela no pênis dele e fez com que elas se movimentassem.

Além do relato de Zahira, outras denúncias também têm sido divulgadas. Nesta segunda-feira, o Ministério Público fará uma coletiva para dar mais detalhes sobre os casos.

O delegado de Corumbá de Goiás, área que responde por Abadiânia, Rodrigo Jayme, afirma que deve abrir uma investigação sobre os casos nesta segunda."É um fato gravíssimo que precisa ser apurado. Vamos determinar à Polícia Civil local que empreenda diligências", diz.

Segundo ele, nos últimos meses, a Polícia Civil local não recebeu denúncias contra o médium. Não há informações sobre registros em outras cidades. Mulheres que relataram os abusos ao jornal O Globo, no entanto, afirmam que tinham medo de represálias e só fizeram as denúncias após saber que mais mulheres haviam passado pela situação.

Veja também

Anticorpo neutralizante de paciente com HIV consegue impedir infecção pelo vírus, diz estudo
SAÚDE

Anticorpo neutralizante de paciente com HIV consegue impedir infecção pelo vírus, diz estudo

Punição a anúncio racista gera divergência na Promotoria de MG
RACISMO

Punição a anúncio racista gera divergência na Promotoria de MG